VEJA NOSSAS NOVIDADES



12/Maio/2018

Avanços da medicina permitem que uma cirurgia cardíaca seja feita de forma minimamente invasiva por meio de robôs, resultando em maior precisão e com excelentes resultados pós-cirúrgicos.

Até poucos anos atrás poderia parecer impossível que uma das cirurgias mais complexas existentes pudesse ser feita apenas com pequenas incisões. As cirurgias minimamente invasivas começaram com procedimentos simples, mas o decorrer dos anos e os avanços da medicina permitiram aos cirurgiões realizar cirurgias maiores e cada vez mais complexas.

Atualmente já é possível fazer a cirurgia cardíaca minimamente invasiva. O procedimento é feito através de pequenas incisões no tórax utilizando instrumentos robóticos especializados.

Quando essa cirurgia é necessária?

Com este procedimento menos invasivo, ampliam-se as possibilidades do tratamento cirúrgico das doenças do coração, e já existem muitos tipos de procedimentos cardíacos que podem ser realizados com essa cirurgia robótica. Entre eles, destacam-se:

  • Reparo e substituição da válvula mitral;
  • Reparo e substituição da válvula tricúspide;
  • Substituição valvar aórtica;
  • Defeito do septo atrial e fechamento do forame oval patente;
  • Cirurgia de defeito septal atrioventricular;
  • Procedimento de labirinto para fibrilação arterial;
  • Cirurgia de revascularização miocárdica;
  • Safena de veia safena para cirurgia de revascularização do miocárdio.

 

Benefícios da cirurgia robótica

A cirurgia cardíaca minimamente invasiva não é uma opção para todos, mas pode oferecer benefícios potenciais aos pacientes nos quais ela é realizada. Entre os principais benefícios estão a menos perda de sangue, menos risco de infecção, menos dor, menor tempo de internação no hospital, uma recuperação mais rápida e retorno mais rápido às atividades normais, além de cicatrizes menores e menos perceptíveis.

Como funciona a cirurgia cardíaca robótica?

Os recentes avanços tecnológicos ocorridos concomitantemente à crescente demanda por procedimentos menos invasivos têm ganhado cada vez mais destaque entre os cirurgiões – sim, os robôs têm revolucionado as salas de cirurgia.

Na cirurgia cardíaca robótica é usado um console de computador especialmente projetado para controlar instrumentos cirúrgicos em braços robóticos. Todo o procedimento é feito por um cirurgião especificamente habilitado e treinado para manipular os braços do robô remotamente.

A ideia não é substituir o cirurgião, mas sim ampliar as precisões da cirurgia, principalmente nos casos mais delicados.

Quem pode fazer a cirurgia robótica?

Infelizmente, a cirurgia do coração minimamente invasiva não se aplica a todos os casos. Nem todos podem se submeter a essa cirurgia robótica, pois isso pode variar de caso para caso, dependendo do quadro clínico e das necessidades do paciente.

Apenas o médico e a equipe de tratamento poderão avaliar se o paciente poderá se submeter à cirurgia robótica. O médico deverá realizar exames apropriados para verificar a condição do paciente e se ele atende ao perfil para fazer este tipo de cirurgia.

Em que casos é feita a cirurgia robótica?

Geralmente ela é utilizada para:

  • Correção da valvopatia mitral, aórtica e tricúspide;
  • Correção cirúrgica da fibrilação atrial;
  • Correção da comunicação interatrial (CIA);
  • Ressecção de tumores intracardíacos;
  • Revascularização do miocárdio.

Se você tem problemas de coração e precisa de uma cirurgia, converse com seu médico para entender melhor se você também pode usufruir desses avanços tecnológicos que não param de evoluir.


08/abr/2018

Conheça os últimos avanços da medicina no tratamento do câncer e veja os benefícios que eles trazem para os pacientes.

De acordo com as últimas estatísticas globais, quase 9 milhões de pessoas por ano perdem a vida devido ao câncer. Isso equivale a aproximadamente 22 mil mortes por dia. A grande variedade de tipos de câncer e os seus diversos sintomas acabam dificultando o tratamento, e essas estatísticas preocupantes ressaltam a urgência de encontrar melhores soluções para os pacientes. Mas a boa notícia é que na última década o tratamento da doença avançou, tanto no âmbito tecnológico quanto na abordagem multiprofissional, e no atendimento individualizado dos pacientes.

Com o passar dos anos, percebeu-se que muitos cânceres que eram considerados como sendo de um determinado tipo, na realidade eram tipos diferentes e, por isso, alguns tratamentos eram ineficazes. Dessa forma, uma das grandes mudanças adotadas foi o tratamento individualizado.

Hoje se estuda o perfil biológico do tumor, identificando suas alterações específicas. Um exemplo para entender isso melhor é o fato de antigamente tratar-se o câncer de mama após a cirurgia da mesma maneira que antes dela. Hoje os tratamentos pré e pós-cirúrgicos são bastantes distintos. Além disso, outro avanço é com relação à cirurgia. Atualmente o tratamento cirúrgico é bem mais conservador, tendo uma maior preservação dos órgãos.

Avanços no tratamento do câncer

Tecnologia

Na parte tecnológica, as cirurgias robóticas vêm ganhando destaque. Isto porque ela é menos invasiva e, como consequência, ocorre menos sangramento e há menos dor. O paciente que se submete a uma cirurgia robótica tende a ficar menos tempo internado e com melhores resultados funcionais, melhorando ainda mais o tratamento de muitos tumores.

Quimioterapia

No campo do tratamento com quimioterapia também ocorreram bons avanços. Passou-se a utilizar medicamentos específicos, como antagonistas hormonais, anticorpos monoclonais e modalidades da terapia alvo-dirigida, que têm mostrado melhores resultados nas respostas dos pacientes ao tratamento.

Radioterapia

Com o avanço da tecnologia, as máquinas atuam com muito mais precisão, programadas para irradiar apenas o tumor, preservando ao máximo os órgãos saudáveis adjacentes. A radioterapia estereotáxica, por exemplo, permite irradiar precisamente um tumor no pulmão e no fígado, mesmo com os movimentos respiratórios do paciente a movimentação natural destes órgãos. Com isso, a probabilidade de efeitos colaterais e sequelas é reduzida drasticamente, o que permite ao paciente uma recuperação muito mais rápida.

Imunoterapia

A imunoterapia foi considerada o maior avanço dos últimos anos no combate ao câncer. Esta técnica estimula o organismo do paciente a detectar a doença e atacá-la, por meio de drogas que modificam a resposta imunológica do doente.  É sem dúvida uma revolução dentro do tratamento do câncer.

Nas últimas décadas, a imunoterapia tornou-se uma parte importante do tratamento de alguns tipos de câncer. Novos tipos de tratamentos imunológicos estão sendo estudados e terão grande impacto sobre como trataremos o câncer no futuro.

O mais importante é que os estudos não param. Muitos tipos mais recentes de imunoterapia estão sendo estudados para uso contra o câncer e a esperança de cura definitiva para esta doença é cada vez maior. E os pacientes agradecem.