VEJA NOSSAS NOVIDADES



Fotolia_200277997_Subscription_Monthly_M-1200x801.jpg
14/jan/2019

Entenda como a Medicina Personalizada tem se mostrado um tratamento com melhores resultados no combate ao câncer.

Se você ou alguém que você conhece é portador de câncer, provavelmente está vasculhando tudo o que puder para encontrar a melhor maneira de vencer a doença. É provável que você tenha visto termos como ‘medicina personalizada’, ‘medicina de precisão’ ou ‘drogas específicas’.

Mas afina, o que significam estes termos?  E. mais importante, elas podem ajudá-lo?

A medicina personalizada (também chamada de medicina de precisão ou farmacogenética) é uma nova maneira de combater o câncer. Ele utiliza informações sobre o paciente e seu tumor para descobrir o que está causando a doença e criar um plano personalizado para a pessoa.

Medicina Personalizada: a genética é o professor

Durante anos o tratamento do câncer foi um processo que seguia um padrão. Você teria uma cirurgia para remover um tumor, depois quimioterapia ou radiação para matar as células cancerígenas. Mas bombardear o câncer com quimioterapia ou radiação também mata as células saudáveis, o que pode levar a uma série de efeitos colaterais desagradáveis.

Hoje os pesquisadores podem examinar suas células cancerosas e aprender a ordem dos genes em seu DNA. Enquanto a maioria das células do corpo do paciente possui genes idênticos, os que estão nas células cancerígenas apresentam mutações ou alterações. É isso o que as transforma em tumores.

Além disso, o câncer de uma pessoa pode ter alterações genéticas diferentes das de outra. Os cientistas também sabem que, geneticamente, o câncer de mama de uma pessoa pode ser mais semelhante ao tumor gástrico de outra pessoa do que a outros cânceres de mama. Isso torna a necessidade de medicamentos personalizados ainda maior.

Medicina Personalizada: Combinando os pacientes com as drogas corretas

A agência FDA (Food and Drug Administration) aprovou mais de uma dúzia de drogas que visam uma dessas mutações. Eles incluem o imatinibe (Glivec), um medicamento usado na leucemia mielogênica crônica, e o trastuzumabe, o medicamento contra o câncer de mama (Herceptin).

A genética do tumor também pode dizer aos médicos quais drogas não funcionam. Por exemplo, se o câncer de cólon tiver uma mutação genética chamada KRAS, os médicos não administrarão dois remédios comuns contra o câncer de cólon, porque sabem que não funcionarão.

Muitos centros clínicos fazem algo chamado de perfilamento do tumor. O médico analisa os genes do tumor. Se ele acha que o câncer pode ter mutações específicas, ele pode começar com um medicamento específico que é adaptado para a mutação genética encontrada nas células cancerosas do seu paciente.

Por exemplo, se a pessoa tem câncer de mama, um teste genético diria se o Herceptin pode funcionar para ela ou não.

A criação de perfis também pode ajudar caso outras opções de tratamento, como a quimioterapia, não funcionarem para o paciente. Uma mutação genética pode levar a equipe médica a utilizar um medicamento inesperado, como um originalmente concebido para outro tipo de câncer.

A Medicina Personalizada não é um tratamento milagroso

A Medicina Personalizada funciona melhor para reduzir tumores – e salvar vidas – do que o tratamento tradicional. Mas nem sempre é uma cura.

Os tumores podem conter células com diferentes mutações genéticas, de modo que uma terapia direcionada projetada para capturar células com uma mutação pode funcionar apenas em parte de um tumor. As células que permanecem podem continuar crescendo.

Converse com seu médico para descobrir se essa abordagem pode funcionar para você.

Um novo tipo de ensaio clínico

Os testes-padrão para testar tratamentos de câncer usam pessoas cujos tumores são similares em tamanho ou localização. Eles podem escolher apenas pessoas com câncer de pulmão em estágio IV, por exemplo. Mas agora que há medicina personalizada, os pesquisadores precisam de novas maneiras de estudar como os tratamentos direcionados funcionam em uma variedade de cânceres.

Os ‘testes de cestas’ combinam pessoas com muitos tipos diferentes de câncer em uma única ‘cesta’ e usam uma abordagem de medicina de precisão para encontrar tratamentos que funcionem. Assim, um único teste pode incluir pessoas com muitos medicamentos diferentes.

A criação de novos tratamentos requer um constante intercâmbio entre médicos e cientistas. Novas drogas são feitas para combater novas alterações genéticas. Então, eles são clinicamente testados. À medida que os tumores mudam, mais medicamentos novos se tornarão disponíveis.


Fotolia_168664093_Subscription_Monthly_M-1-1200x801.jpg
07/jan/2019

Diagnósticos ou tratamentos errados podem prejudicar ou atrasar a cura de um paciente. Veja como se prevenir disso.

Erros médicos podem ocorrer em qualquer lugar: nos hospitais, nas clínicas, nos centros cirúrgicos, nos consultórios, nas farmácias e na casa do paciente. Esses erros envolvem medicamentos, cirurgias, diagnósticos, equipamentos ou resultados de exames. Por isso, é preciso tomar todas as precauções para ter certeza de que você recebeu o diagnóstico correto a fim de iniciar o tratamento adequado.

Os erros de diagnóstico e tratamento podem ocorrer até mesmo em rotinas comuns, como, por exemplo, um paciente no hospital com uma dieta sem sal receber uma refeição rica em sal.

A maioria dos erros resultam de problemas criados pelos complexos sistemas de saúde. Mas os erros ocorrem também quando os médicos e pacientes possuem problemas de comunicação.

Como se prevenir de erros em diagnósticos e tratamentos?

A melhor forma de se prevenir contra diagnósticos e tratamentos errados é tornar-se um membro ativo da sua condição clínica, em vez de assumir a postura de mero espectador. Isso significa fazer parte de cada decisão sobre os cuidados com a sua saúde. Pacientes que se envolvem pessoalmente com seus tratamentos tendem a obter melhores resultados.

Por isso, separamos 20 dicas a seguir que podem ser extremamente valiosas para você.

Como se prevenir de erros em medicamentos

1 – Avise seu médico sobre todo medicamento que você está tomando. Isso inclui medicamentos prescritos e suplementos dietéticos, como vitaminas e ervas.

2 – Leve todos os remédios e suplementos na sua consulta com o médico. Isso ajuda o seu médico a falar mais sobre cada medicamento e verificar se há alguma contraindicação com algum deles.

3 – Comunique seu médico sobre qualquer alergia ou reações adversas que você já teve com algum remédio. Isso ajuda o médico a não receitar algum medicamento que possa lhe fazer mal.

4 – Quando seu médico lhe prescrever um remédio, certifique-se de que você possa ler a receita claramente. Se você não conseguir ler a caligrafia do seu médico, talvez o farmacêutico também não consiga.

5 – Peça informações ao seu médico para que você consiga entender sobre o medicamento e a prescrição:

  • Para que serve o remédio?
  • Como devo tomar e por quanto tempo?
  • Que efeitos colaterais podem surgir? O que fazer se eles ocorrerem?
  • É seguro tomar esse remédio junto com ou outros medicamentos que estou tomando e/ou com a minha atual dieta?
  • Que tipo de comida, bebida ou atividade eu devo evitar enquanto estiver tomando esse remédio?

6 – Ao receber o medicamento na farmácia, pergunte: “este é o remédio exato que o meu médico receitou?”. Isso fará com que o farmacêutico verifique novamente a receita, a fim de evitar qualquer erro.

7 – Se tiver qualquer dúvida sobre a bula do remédio, pergunte. Bulas podem ser difíceis de entender. Por exemplo, pergunte se “quatro vezes ao dia” significa tomar uma dose a cada seis horas exatas (noite e dia) ou apenas durante o dia.

8 – Pergunte ao farmacêutico sobre a melhor forma de medir seu remédio líquido. Por exemplo, muitas pessoas usam colheres de chá, mas que necessariamente podem não conter toda a dose necessária. Utilizar seringas ou copos-medida ajudam a tomar a dose exata.

9 – Peça informação por escrito sobre os efeitos colaterais que o seu medicamento pode causar. Se você sabe que pode haver alguma reação ao remédio, é bom estar preparado caso algo inesperado ocorra.

Como se prevenir de erros em internações em hospitais

10 – Se estiver em um hospital, pergunte a todos os médicos e enfermeiros que precisarem tocar em você se eles lavaram as mãos. Isso ajuda a prevenir doenças e evita que infecções se espalhem no hospital.

11 – Ao receber alta do hospital, peça para o médico explicar sobre o tratamento que você deve seguir em casa. Isso inclui informações sobre os novos remédios, agenda de novas consultas e se você pode retomar suas atividades regulares. É importante saber se você deve ou não continuar tomando os remédios que tomava antes da internação.

Como se prevenir de erros em cirurgias

12 – Se tiver que passar por uma cirurgia, certifique-se de que você, seu médico e o cirurgião estão de acordo com o que deve ser feito. Fazer uma cirurgia do lado errado (por exemplo, operar o joelho esquerdo em vez do direito) é raro, mas pode acontecer. Por isso, é importante que haja um perfeito entendimento do processo até minutos antes de entrar no centro cirúrgico.

13 – Se puder escolher, opte por um hospital especializado na cirurgia que você irá fazer. Prefira hospitais especializado na cirurgia que você precisará fazer. Eles possuem melhores estruturas tanto de equipamentos quanto de profissionais experientes, o que reduz drasticamente as chances de erros.

Como se prevenir de erros médicos gerais

14 – Pergunte se tiver alguma dúvida ou receio. Você tem o direito de questionar tudo o que estiver relacionado com sua saúde.

15 – Certifique-se de que uma única pessoa coordene seu tratamento. Pode ser seu médico principal ou algum médico do hospital (se estiver internado), mas isso é muito importante caso você tenha muitos problemas de saúde.

16 – Garanta que todos os médicos tenham acesso às suas informações de saúde. Em um hospital, você pode ser atendido por muitos plantonistas. Por isso, não presuma que todos possuem as informações completas sobre seu estado.

17 – Peça a um amigo ou parente para ir às consultas com você. Isso garante que outra pessoa além de você receba as informações do médico, podendo ajudar caso você esqueça ou não tenha entendido algo.

18 – Se fizer um exame, não presuma que nenhum resultado é uma boa notícia. Pergunte quando e como você receberá os resultados.

19 – Entenda que “mais” nem sempre é melhor. É uma boa ideia descobrir por que um exame ou tratamento é necessário e como ele pode ajudá-lo. Você poderia estar melhor sem isso.

20 – Aprenda sobre sua condição e tratamentos com seu médico e recorra a outras fontes confiáveis. Pergunte ao seu médico se o seu tratamento é baseado nas evidências clínicas mais recentes. Se não se sentir confortável, busque uma segunda opinião médica – ou até uma terceira, se necessário.

Seguindo essas dicas, você consegue se prevenir de erros em diagnósticos e tratamentos, o que lhe garantirá uma maior segurança e certeza de que está no caminho certo para melhorar sua saúde.


19/dez/2018

Seja uma recomendação de cirurgia, um diagnóstico de câncer ou a suspeita de uma doença rara, há muitos benefícios em pedir uma segunda opinião médica.

As pessoas cometem erros todos os dias é importante lembrarmos que os médicos não estão imunes a esse fato. Além disso, alguns médicos são mais conservadores, enquanto outros tendem a ser mais agressivos em seus diagnósticos. Portanto, suas descobertas e recomendações podem variar drasticamente. Por esse motivo, cada vez mais pacientes estão buscando segundas opiniões ao receberem um diagnóstico.

Seja uma recomendação de cirurgia, um diagnóstico de câncer ou a suspeita de uma doença rara, há muitos benefícios em pedir uma segunda opinião médica. Esses benefícios incluem tudo, desde tranquilidade e confirmação, até um novo diagnóstico ou um plano de tratamento diferente.

Mesmo que a segunda opinião apenas confirme o que você já sabe, ela ainda pode ser benéfica, pois você terá certeza de que fez tudo o que pode para garantir o diagnóstico correto e um plano de tratamento adequado para o seu caso. Uma segunda opinião também pode oferecer informações sobre opções adicionais de tratamento que o primeiro médico pode não ter mencionado. Como resultado, você se torna mais informado sobre o que está disponível para você e pode tomar uma decisão mais assertiva sobre algo de suma importância para a sua vida: a sua saúde.

O que dizem as pesquisas sobre segundas opiniões médicas?

Um estudo conduzido nos EUA por pesquisadores da Clínica Mayo descobriu que 88% dos pacientes que procuram uma segunda opinião saíram do consultório com um diagnóstico novo ou mais detalhado. Enquanto isso, 21% dos pacientes saíram com um diagnóstico “distintamente diferente”. Por outro lado, um estudo publicado no Journal of Evaluation in Clinical Practice, descobriu que apenas 12% dos pacientes tiveram o diagnóstico original correto. Isso significa que um em cada cinco pacientes foi diagnosticado incorretamente.

Durante o estudo, os pesquisadores revisaram os registros de 286 pacientes encaminhados por médicos para a Divisão de Medicina Interna Geral da clínica. Os fatores que motivaram as pessoas a pedirem segundas opiniões incluíram a confirmação do diagnóstico, a insatisfação com a consulta, a necessidade de mais informações e o tratamento dos sintomas persistentes.

Além disso, um estudo controverso conduzido por pesquisadores da Johns Hopkins Medicine diz que os erros médicos são a terceira maior causa de morte dos pacientes, reforçando ainda mais a necessidade de segundas opiniões.

Quando você deve pedir uma segunda opinião médica?

De acordo com a Resolução CONSU nº 8 e o Código de Ética Médica, as fontes pagadoras, tanto públicas quanto privadas, podem solicitar a segunda opinião, trabalhando com sistemas de auditorias eficientes quando em suspeita de exageros e indicações inadequadas de procedimentos.

O parecer nº 114073 do Cremesp relata que o mecanismo da segunda opinião médica é usual em todo mundo e não é antiética. No Brasil, ainda existe um pouco de preconceito em relação a isso, enquanto em outros países trata-se de algo absolutamente normal. Alguns médicos ainda se sentem ofendidos, acreditando tratar-se de uma desconfiança do paciente.

Mas lembre-se de que você não precisa de justificativa para pedir uma segunda opinião, pois há momentos em que esta pode ser sua melhor decisão.

Além do mais, se os dois médicos com quem você se consultou discordam muito, então pode ser uma boa ideia pedir uma terceira opinião. Tenha em mente também que a segunda opinião não é necessariamente a opinião correta. A chave é continuar buscando até que o diagnóstico e o tratamento façam sentido para você.

Mas para te ajudar, a seguir listamos cinco razões pelas quais você deveria pedir uma segunda opinião médica.

Peça uma segunda opinião se tiver passado por tratamento, mas seus sintomas continuarem.

Ninguém conhece o seu corpo melhor do que você. E se os seus sintomas persistirem mesmo após o tratamento indicado, pode ser hora de procurar o conselho de diferentes médicos e especialistas. Na maioria das vezes, as pessoas lutam por si mesmas. Em vez disso, eles presumem que terão que viver com a dor crônica ou sensações desconfortáveis. Mas lembre-se, a única maneira de você obter um tratamento que funciona é obtendo o diagnóstico correto. Então, se você não está se sentindo melhor e seus sintomas não desaparecem, não se contente com isso. Entre em contato com outros médicos.

Peça uma segunda opinião se for diagnosticado com uma doença rara

Às vezes, as doenças são tão raras que há muito pouca pesquisa sobre elas. Quando isso acontece, pode ser frustrante e assustador descobrir que você foi diagnosticado com algo tão raro. Mas você não está sozinho. Muitas outras pessoas também foram diagnosticadas com este tipo de doença. E pelo fato de haver tão pouca informação disponível sobre essas doenças e distúrbios, é importante fazer sua pesquisa, porque os riscos de erros do diagnóstico são significativos. Procure por médicos e especialistas que já trataram de pacientes com seu distúrbio e obtenha a opinião deles. Você precisa ter certeza de que está recebendo o melhor tratamento possível para sua doença.

Peça uma segunda opinião se o tratamento recomendado é arriscado, envolve cirurgia, é invasivo ou tem consequências ao longo da vida

Nunca é aconselhável concordar com a cirurgia ou outro procedimento invasivo sem explorar suas opções. No entanto, algumas pessoas acham que, se um médico sugere um procedimento, elas precisam concordar com isso de imediato. Mas lembre-se, é o seu corpo e a sua vida que estão em jogo. Você tem absolutamente todo o direito de dizer com quais tratamentos concorda. Como resultado, pode ser aconselhável pedir uma segunda opinião se o seu médico estiver recomendando algo tão sério quanto a cirurgia. Ser proativo e coletar mais informações lhe dará um maior grau de controle sobre o seu tratamento.

Peça uma segunda opinião se for diagnosticado com câncer

Com algo tão sério quanto o câncer, ter a opinião de outro especialista faz todo o sentido. Não só o diagnóstico de câncer pode ser confuso e avassalador, mas também é um evento que muda a vida. Portanto, é importante estar o mais informado possível sobre o seu prognóstico e as possíveis opções de tratamento disponíveis. Tenha em mente que nenhum médico está completamente informado sobre os resultados de cada estudo e ensaio clínico no país. Os médicos são humanos. É por isso que você precisa se precaver. Obter opiniões adicionais apenas melhora a probabilidade de que você vai sair com o melhor plano de tratamento possível.

Peça uma segunda opinião se a sua intuição lhe disser que algo está errado

Se por qualquer razão você não estiver confortável com o diagnóstico ou o tratamento recomendado, peça uma segunda opinião. Você nunca deve concordar com um procedimento ou plano de tratamento quando não se sentir bem com isso. Confie no seu instinto e busque mais informações. Faça perguntas, fale com amigos, procure outro médico. E leia sobre sua condição. Ninguém deve sentir que precisa seguir as ordens do médico sem fazer perguntas e coletar mais informações. Pouquíssimas decisões devem tomadas imediatamente no consultório. Portanto, se algo não lhe parece certo, investigue sua situação e converse com outro médico.

Lembre-se, você não está sendo teimoso e nem está negando a sua situação ao solicitar uma segunda opinião médica. Você está sendo inteligente e cauteloso. Hoje já existem empresas especializadas em segunda opinião médica, que te conectam aos melhores especialistas de todo o mundo, que analisam seu caso e te entregam um relatório completo, sem que você tenha que se deslocar.

Você deve sempre ter um papel ativo em seus cuidados com a saúde, e pedir uma segunda opinião é parte importante desse processo. Portanto, seja honesto com seu médico sobre seu desejo de buscar mais informações. E se ele não te apoiar ou te desencorajar, pode ser hora realmente de buscar um novo profissional.


Fotolia_101892070_Subscription_Monthly_M-1200x798.jpg
21/set/2018

Recebeu más notícias do seu médico? Veja como enfrentar esse diagnóstico delicado com calma e determinação para seguir em frente e dar os próximos passos.

Receber más notícias do seu médico pode ser devastador. Não é fácil enfrentar o diagnóstico de uma doença grave ou de tratamento complicado.  É um momento paralisante, onde todas as preocupações anteriores desaparecem e você se depara com um território novo e aterrorizante.

O diagnóstico complicado é delicado tanto para o paciente que o recebe quanto para o médico que o comunica. E por mais que o tempo pareça parar e você não saiba o que fazer, é preciso seguir em frente.

Sentir medo e dúvida são totalmente normais nesse momento. Mas é importante para a sua saúde, entretanto, manter o foco no que pode aprender durante esses tempos difíceis e encontrar ajuda  para manter a calma para tomar as decisões corretas.

Aprenda o máximo que puder

Ao receber um diagnóstico delicado, procure aprender e pesquisar o máximo que puder sobre a doença, a sua situação e as opções de tratamento. Não fique com vergonha, pergunte tudo o que puder (e quiser) para o médico. Esse é o momento de colocar todas as cartas na mesa.

Uma dica é ter sempre alguém com você durante as consultas. Ao receber o diagnóstico, você pode ser incapaz de se concentrar ou de pensar racionalmente. Por isso, sua companhia poderá fazer as perguntas necessárias e até transmitir mais calma e tranquilidade.

Ter uma visão clara dos fatos vai te ajudar a pensar nos próximos passos. Às vezes o medo desaparece ao descobrir que um simples procedimento pode resolver o problema. Mas quando é preciso encarar um tratamento mais demorado, ter apoio e o máximo de informações possíveis ajudará a reduzir a ansiedade para trilhar esse caminho com mais confiança.

Cuidado com as informações que você obtém

É totalmente normal querer buscar na internet mais informações sobre a doença com a qual você foi diagnosticado, bem como seus respectivos tratamentos. Mas tome muito cuidado com isso.

Tenha em mente que muitos sites contêm informações incorretas ou baseadas em pesquisas desatualizadas. O ideal é perguntar ao seu médico se ele conhece algum site confiável onde você possa obter mais informações sobre o seu diagnóstico.

Peça uma segunda opinião

Se o diagnóstico que você recebeu é grave e implica em uma cirurgia ou tratamento de risco, procure uma segunda opinião médica.

Faça isso também em relação aos tratamentos a serem realizados. Você precisa estar ciente de todas as opções e alternativas possíveis.Uma segunda opinião médica pode complementar e contribuir para tornar o diagnóstico mais assertivo, proporcionando mais segurança ao paciente.

Esteja preparado para mudanças positivas na sua vida

Não é incomum pessoas que passaram por doenças graves afirmarem que suas vidas se tornaram mais significativas depois dessa experiência, mesmo que tenham ficado com alguma sequela. O fato de estarem vivas, poderem retomar suas rotinas e estarem próximas das pessoas que amam tornam-se motivos de alegria e gratidão para essas pessoas.

Receber um diagnóstico delicado não é fácil. Mas com fé, determinação, informação e apoio, o percurso do tratamento torna-se menos longo e mais fácil de ser percorrido.

 


Fotolia_81189586_Subscription_Monthly_M-1-1200x798.jpg
17/jul/2018

Saiba como a hiperatividade e o autismo podem ser confundidos e entenda a importância de um diagnóstico assertivo entre TDAH e TEA.

Ainda é grande o número de pessoas que vivem na dúvida de como identificar e, também, diferenciar o autismo e o TDAH (Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade) – e já adiantamos que são, sim, dois transtornos diferentes.

O TDAH é um transtorno do neurodesenvolvimento comum e diagnosticado mais frequentemente em crianças. Ele é caracterizado pela falta de atenção, por hiperatividade e impulsividade. A idade para o diagnóstico de TDAH geralmente é em torno dos 7 anos. É muito comum também que, no estágio inicial, o TDAH e o TEA (Transtorno do Espectro Autista) sejam confundidos um com o outro.

Isto ocorre porque os sintomas são muito parecidos: problemas para se comunicar e se concentrar, além de ambos afetarem o comportamento, o aprendizado e a socialização. E muitas vezes pode ser realmente difícil enxergar a diferença entre os dois.

O transtorno do espectro autista (TEA) pode variar em gravidade e sintoma. E é bem comum encontrar sinais de TDAH na maior parte das pessoas com TEA. O fato é que apesar de serem parecidos são transtornos distintos.

Qual a diferença entre TDAH e TEA?

Entre as principais diferenças entre a hiperatividade e o autismo, podemos destacar as seguintes:

TEA (Autismo)

1) Problemas de comunicação e interação social

2) Comportamentos restritos e repetitivos

3) Dificuldade de processar e interagir com o mundo (comunicar, formar relacionamentos, explorar, brincar e aprender)

DAH (Hiperatividade)

1) Desatenção

2) Hiperatividade e impulsividade

3) Dificuldade de acompanhar e manter um foco (prestar atenção aos detalhes, organizar tarefas, manter-se quieto e imóvel)

Uma das causas de confusão entre esses transtornos é que os sintomas de TDAH e TEA podem ocorrer ao mesmo tempo. E às vezes o médico pode apontar para apenas um dos distúrbios na criança. Nestes casos, estudos apontam como causa genética a mesma pessoa ter os dois distúrbios. Ainda há estudos e pesquisas sobre o tema para entender a complexidade e a conexão entre o TDAH e o TEA.

Até alguns anos atrás não era possível diagnosticar o TEA em uma criança com TDAH ou vice-versa, mas as pesquisas mais recentes estão mostrando que cada vez mais crianças estão apresentando ambos os distúrbios e que podem compartilhar o mesmo gene raro, sugerindo que médicos testem crianças com TEA para TDAH no momento do primeiro diagnóstico, e vice-versa.

Diagnóstico assertivo

O primeiro passo para ajudar a criança é, sem dúvida, o tratamento adequado de acordo com um diagnóstico correto. Quanto mais cedo a criança iniciar o tratamento adequado, melhores as chances de resposta ao tratamento – além de os resultados ocorrerem em um espaço menor de tempo, também. Nos casos em que a criança recebe um diagnóstico atrasado, ela pode ter sérios transtornos ao longo da vida.

Para um diagnóstico mais assertivo é necessário procurar um especialista em transtorno de comportamento infantil. Outros médicos podem não ter o treinamento adequado para entender completamente os sintomas, deixando escapar alguma informação que pode complicar posteriormente o tratamento.

O gerenciamento e a aplicação das técnicas comportamentais do TDAH ajudarão a criança também a controlar os sintomas do TEA, por isso, o diagnóstico adequado é fundamental. Crianças menores de 6 anos costumam receber tratamento para o TDAH por meio de terapia comportamental. As medicações são prescritas somente as crianças maiores de 6 anos de idade. E nestes casos o médico pode experimentar vários tratamentos antes de encontrar um que de resultado.

Não existe cura para o TDAH ou para o TEA, mas, com o tratamento adequado, muitos dos sintomas podem ser controlados e a criança passa a ter uma melhor qualidade de vida.


20/abr/2018

Receber o diagnóstico de câncer não significa o fim de tudo. Veja aqui quais são os principais obstáculos de um paciente e como superá-los.

Definitivamente, o câncer muda a vida das pessoas. Não é fácil escutar: “Você está com câncer”. São simples palavras, mas com grande poder e impacto sobre quem as ouve. Para muitos, é como se seus sonhos e planos para a vida fossem interrompidos ao ouvir essa frase. Certamente, o maior desafio desta jornada começa com o recebimento da notícia. O paciente com câncer e sua família passam a enfrentar duas lutas: uma interna contra medos e inseguranças; e outra externa com o tratamento.

Muitas vezes a luta parece maior quando você não sabe nem por onde começar. Como será o tratamento? Quanto tempo isso vai durar? Tem cura? Como fica minha família nesse período? E ter que lutar pela vida, além de tudo isso, parece assustador. Afinal, receber a notícia que sua meta de vida agora é viver não é algo simples.

Ansiedade, medo e depressão afetam a saúde emocional não só dos pacientes como dos familiares ao seu redor. Dúvidas como “quanto tempo me resta?”, “o tratamento dará resultado?”, “como ficará minha família?”, entre tantas outras, podem ser angustiantes e assustadoras para os pacientes, caso não tenham o apoio e a orientação necessários.

Algumas pessoas conseguem administrar a notícia com mais fé e, desde o primeiro momento, lutam para vencer a doença. Sobreviver torna-se a sua ‘paixão’ e não medem esforços para conseguir a vitória.

Quais as maiores barreiras que os pacientes com câncer enfrentam?

Os pacientes com câncer precisam superar muitos desafios desde o início. A primeira barreira que precisam vencer é da ansiedade, uma reação normal ao câncer, primeiro porque a sensação de estar perdido, sem saber para onde ir, é avassaladora. Depois, esperar pelos resultados de exames e pelo diagnóstico final também pode ser uma grande tortura para muitos.  Fortalecer o lado emocional, contar com o apoio da família e de amigos e de profissionais competentes, além de procurar seguir a vida da forma mais natural possível ajuda a reduzir a ansiedade.

Outro tema que tira o sono das famílias e dos pacientes é a parte financeira, já que fazer tratamentos com os melhores especialistas do mundo requer muitos recursos. Pode parecer difícil, mas não é impossível.

O fato de não contar com apoio especializado, que se encarregue de detalhes burocráticos que o paciente não está emocionalmente preparado para resolver, também aumenta a ansiedade e a preocupação após o diagnóstico de câncer.

Os pacientes também têm que enfrentar desafios como fadiga e os efeitos colaterais do tratamento. Náuseas e cansaço excessivo são verdadeiras barreiras que o paciente com câncer precisa enfrentar constantemente, dificultando tanto os serviços domésticos quanto os profissionais. As mudanças físicas afetam a confiança e a autoestima; o sofrimento e dor levam a temer a morte e a impossibilidade de fazer tarefas cotidianas; e surge o stress por não se sentirem autossuficientes. Esse conjunto de emoções e sentimentos muitas vezes pode intensificar um quadro clínico que não é tão grave. Mas então, o que fazer?

Como reagir ao diagnóstico de câncer?

Pacientes com maior apoio de familiares, amigos e profissionais tendem a se sentir menos ansiosos e deprimidos, tendo assim uma melhor qualidade de vida. Ouvir e encorajar pacientes com câncer ajuda a reduzir o sofrimento e angústia de preocupações futuras. Por isso, algumas dicas podem ser muito úteis para ajudar quem está em tratamento:

  • Converse com quem já passou pelo tratamento;
  • Ouça com atenção os sentimentos e conselhos dessa pessoa;
  • Obtenha ajuda através de aconselhamento de grupos de apoio;
  • Pratique meditação, oração ou busque algum apoio espiritual;
  • Faça exercícios de respiração profunda e relaxamento;
  • Converse com um médico sobre o uso de medicamentos para controle de ansiedade ou antidepressivos, se necessário.
  • Tenha uma equipe competente de apoio para resolver detalhes que você pode evitar, como negociação com hospitais e médicos, agendamento de consultas e viagens, entre outros serviços.

Os pacientes com câncer devem buscar apoio nas pessoas que amam, compartilhando suas dores e medos e precisam se lembrar de que não estão sozinhos. O suporte emocional da família, juntamente com uma ajuda psicológica adequada e, para muitos, o apoio espiritual, podem reduzir drasticamente seus anseios e angústias, fortalecendo os pacientes para que possam passar pelo tratamento com mais força e disposição.

E, por fim, esqueça estatísticas e qualquer tipo de pesquisa. É preciso manter o foco apenas no tratamento e na recuperação. Sobreviver ao câncer exige esforço físico e emocional. Não só do paciente, mas de todos os familiares e amigos que o cercam.

É sempre importante ter em mente que o seu mundo não acabou. Este é apenas um obstáculo na pista que deve ser transposto para que você retome seus planos e sonhos com ainda mais garra.


08/abr/2018

Conheça os últimos avanços da medicina no tratamento do câncer e veja os benefícios que eles trazem para os pacientes.

De acordo com as últimas estatísticas globais, quase 9 milhões de pessoas por ano perdem a vida devido ao câncer. Isso equivale a aproximadamente 22 mil mortes por dia. A grande variedade de tipos de câncer e os seus diversos sintomas acabam dificultando o tratamento, e essas estatísticas preocupantes ressaltam a urgência de encontrar melhores soluções para os pacientes. Mas a boa notícia é que na última década o tratamento da doença avançou, tanto no âmbito tecnológico quanto na abordagem multiprofissional, e no atendimento individualizado dos pacientes.

Com o passar dos anos, percebeu-se que muitos cânceres que eram considerados como sendo de um determinado tipo, na realidade eram tipos diferentes e, por isso, alguns tratamentos eram ineficazes. Dessa forma, uma das grandes mudanças adotadas foi o tratamento individualizado.

Hoje se estuda o perfil biológico do tumor, identificando suas alterações específicas. Um exemplo para entender isso melhor é o fato de antigamente tratar-se o câncer de mama após a cirurgia da mesma maneira que antes dela. Hoje os tratamentos pré e pós-cirúrgicos são bastantes distintos. Além disso, outro avanço é com relação à cirurgia. Atualmente o tratamento cirúrgico é bem mais conservador, tendo uma maior preservação dos órgãos.

Avanços no tratamento do câncer

Tecnologia

Na parte tecnológica, as cirurgias robóticas vêm ganhando destaque. Isto porque ela é menos invasiva e, como consequência, ocorre menos sangramento e há menos dor. O paciente que se submete a uma cirurgia robótica tende a ficar menos tempo internado e com melhores resultados funcionais, melhorando ainda mais o tratamento de muitos tumores.

Quimioterapia

No campo do tratamento com quimioterapia também ocorreram bons avanços. Passou-se a utilizar medicamentos específicos, como antagonistas hormonais, anticorpos monoclonais e modalidades da terapia alvo-dirigida, que têm mostrado melhores resultados nas respostas dos pacientes ao tratamento.

Radioterapia

Com o avanço da tecnologia, as máquinas atuam com muito mais precisão, programadas para irradiar apenas o tumor, preservando ao máximo os órgãos saudáveis adjacentes. A radioterapia estereotáxica, por exemplo, permite irradiar precisamente um tumor no pulmão e no fígado, mesmo com os movimentos respiratórios do paciente a movimentação natural destes órgãos. Com isso, a probabilidade de efeitos colaterais e sequelas é reduzida drasticamente, o que permite ao paciente uma recuperação muito mais rápida.

Imunoterapia

A imunoterapia foi considerada o maior avanço dos últimos anos no combate ao câncer. Esta técnica estimula o organismo do paciente a detectar a doença e atacá-la, por meio de drogas que modificam a resposta imunológica do doente.  É sem dúvida uma revolução dentro do tratamento do câncer.

Nas últimas décadas, a imunoterapia tornou-se uma parte importante do tratamento de alguns tipos de câncer. Novos tipos de tratamentos imunológicos estão sendo estudados e terão grande impacto sobre como trataremos o câncer no futuro.

O mais importante é que os estudos não param. Muitos tipos mais recentes de imunoterapia estão sendo estudados para uso contra o câncer e a esperança de cura definitiva para esta doença é cada vez maior. E os pacientes agradecem.