VEJA NOSSAS NOVIDADES



AdobeStock_183543292-1200x669.jpeg
16/Maio/2019

Entenda os riscos para sua saúde ao procurar remédios e tratamentos milagrosos e aprenda a reconhecer fraudes para evitar problemas.

Todos nós já vimos propagandas de remédios ou tratamentos de saúde milagrosos em revistas e banners na web. E se você estiver sofrendo de uma dessas doenças ou sintomas, é difícil não se sentir atraído a experimentar. E, assim, você acaba se perguntando: será que isso é verdade?

A resposta é: não. Anúncios com alegações de promessas milagrosas de saúde como essas são quase sempre falsos. No entanto, eles são habilmente criados para atrair as pessoas, desperdiçando seu dinheiro em curas que não funcionam e, muitas vezes, impedindo-as de procurar o verdadeiro cuidado de que precisam.

Para evitar cair nessas alegações de “cura milagrosa”, você precisa aprender a reconhecer os sinais reveladores de uma fraude e saber onde procurar informações de saúde reais e úteis.

Como os tratamentos milagrosos desperdiçam seu dinheiro

A única coisa na qual os chamados tratamentos milagrosos são realmente bons é em desperdiçar seu dinheiro. Veja como eles fazem isso:

  • Eles não funcionam. Somente nos EUA, por exemplo, os americanos pagam bilhões de dólares a cada ano em produtos e tratamentos de saúde que não funcionam. Em 2013, quase US$ 6 milhões foram gastos em reembolsos para clientes que compraram produtos falsos para perda de peso e prevenção do câncer. As empresas que vendem esses produtos atraem clientes com alegações enganosas e falsos depoimentos de supostos ‘clientes’.
  • Eles são caros. Ao entrar em contato para saber mais informações sobre o produto ou tratamento, a pessoa descobre que, além do preço alto, será necessário comprar produtos adicionais ou em grande quantidade, o que eleva muito o custo. Ou seja, você ainda paga caro por algo que não funciona.
  • Eles prejudicam sua saúde. Os clientes geralmente acham que os tratamentos de saúde falsos são seguros porque os anúncios os descrevem como produtos “naturais”. No entanto, “natural” claramente não significa inofensivo. Muitos dos venenos mais mortais do mundo vêm de plantas, e alguns deles – como o cianureto – são encontrados em remédios falsos.
  • Eles interagem com outras drogas. Até mesmo produtos que não são prejudiciais por si só podem interagir de maneira perigosa com outros medicamentos que você está tomando. Como esses remédios falsos não são prescritos por um médico de verdade que conhece seu histórico de saúde, não há como detectar esses problemas até que eles causem alguma reação, o que pode levar a uma internação de emergência no hospital.
  • Eles tomam o lugar do tratamento real. Se você depositar sua fé nesses ‘remédios milagrosos’, é improvável que você vá a um médico de verdade e receba o tratamento adequado de que precisa. Muitas pessoas perdem anos tentando se tratar com produtos que não tem qualquer efeito, enquanto seus problemas de saúde pioram e pioram. Quando finalmente aceitam consultar um médico de verdade, suas condições de saúde pioraram, o que torna o tratamento mais difícil e caro.

Tipos de golpes de saúde

Se você tivesse um problema de saúde que fosse fácil de tratar, como acnes, provavelmente procuraria um médico ou compraria algum remédio na farmácia. No entanto, se você já tivesse ido a vários médicos e nenhum tratamento tivesse funcionado, você poderia começar a se sentir um pouco desesperado. E provavelmente ficaria tentado a testar qualquer coisa que oferecesse alívio para seus sintomas.

É por isso que golpes de tratamentos milagrosos miram pessoas com problemas de saúde difíceis de tratar. Muitas destas são doenças para as quais a ciência médica atualmente não tem cura, como HIV, diabetes, esclerose múltipla e doença de Alzheimer. Outros são problemas para os quais os tratamentos reais são difíceis, dolorosos ou nem sempre eficazes, como o câncer.

Os remédios do charlatão oferecem às pessoas portadoras dessas doenças a esperança de que possam finalmente se libertar de uma vez por todas. Infelizmente, isso é um problema que eles não conseguem resolver.

Qual tratamento realmente funciona?

A verdade é que não existe uma cura para o câncer, por exemplo, que funcione para todos. Cada caso individual de câncer é diferente, e o melhor curso de tratamento varia com base no tipo de câncer e no indivíduo. Muitas vezes, duas pessoas com exatamente o mesmo câncer ainda precisam de tratamentos diferentes. Consultar um médico – ou, muitas vezes, uma equipe de médicos – é a única maneira de encontrar o curso de tratamento que tem a melhor chance de trabalhar para você.

Vale a pena arriscar um tratamento revolucionário?

Apesar das fraudes em tratamentos de saúde, existe muita pesquisa científica séria e profissionais dedicados que se dedicam constantemente à busca de novos tratamentos e alternativas que possam curar ou reduzir os sintomas de diversas doenças.

Esses tratamentos percorrem um longo caminho até poderem ser oficialmente aplicados nos pacientes. São realizados inúmeros testes em laboratórios e há incontáveis processos pelos quais eles devem ser submetidos até que possam ser aplicados ou comercializados, com o aval da FDA (Food and Drug Administration). O processo pode levar anos.

Em condições muito especiais, alguns desses tratamentos são abertos a candidatos que se dispõem a testá-los. Geralmente são portadores de doenças graves, cujos tratamentos convencionais já não surtem mais efeito. Mas, em geral, um tratamento ou remédio revolucionário só está disponível após a certeza de que sua eficácia tenha sido comprovada.

Se você viu algum desses tratamentos na TV ou na internet e gostaria de saber mais a respeito, a melhor forma de obter informações concretas e reais sobre ele é buscar a opinião de um médico especialista na área.

A consulta com um especialista, de preferência um médico de renome em sua área, pode esclarecer muitas dúvidas e lançar uma nova luz na condição de saúde do paciente.

Às vezes o resultado pode vir não de um tratamento milagroso ou revolucionário, mas de um tratamento correto que só um especialista é capaz de diagnosticar.

Lembre-se sempre de que é a sua saúde e o seu dinheiro que estão em jogo. Em vez de gastar com tratamentos duvidosos que não surtirão efeito ou podem até piorar sua saúde, invista na consulta com médicos especialistas na sua doença. O resultado pode fazer toda a diferença na sua vida.

Conheça nossas soluções de Guia Médico e encontre os melhores especialistas para o seu tratamento.


Fotolia_168664093_Subscription_Monthly_M-1-1200x801.jpg
07/jan/2019

Diagnósticos ou tratamentos errados podem prejudicar ou atrasar a cura de um paciente. Veja como se prevenir disso.

Erros médicos podem ocorrer em qualquer lugar: nos hospitais, nas clínicas, nos centros cirúrgicos, nos consultórios, nas farmácias e na casa do paciente. Esses erros envolvem medicamentos, cirurgias, diagnósticos, equipamentos ou resultados de exames. Por isso, é preciso tomar todas as precauções para ter certeza de que você recebeu o diagnóstico correto a fim de iniciar o tratamento adequado.

Os erros de diagnóstico e tratamento podem ocorrer até mesmo em rotinas comuns, como, por exemplo, um paciente no hospital com uma dieta sem sal receber uma refeição rica em sal.

A maioria dos erros resultam de problemas criados pelos complexos sistemas de saúde. Mas os erros ocorrem também quando os médicos e pacientes possuem problemas de comunicação.

Como se prevenir de erros em diagnósticos e tratamentos?

A melhor forma de se prevenir contra diagnósticos e tratamentos errados é tornar-se um membro ativo da sua condição clínica, em vez de assumir a postura de mero espectador. Isso significa fazer parte de cada decisão sobre os cuidados com a sua saúde. Pacientes que se envolvem pessoalmente com seus tratamentos tendem a obter melhores resultados.

Por isso, separamos 20 dicas a seguir que podem ser extremamente valiosas para você.

Como se prevenir de erros em medicamentos

1 – Avise seu médico sobre todo medicamento que você está tomando. Isso inclui medicamentos prescritos e suplementos dietéticos, como vitaminas e ervas.

2 – Leve todos os remédios e suplementos na sua consulta com o médico. Isso ajuda o seu médico a falar mais sobre cada medicamento e verificar se há alguma contraindicação com algum deles.

3 – Comunique seu médico sobre qualquer alergia ou reações adversas que você já teve com algum remédio. Isso ajuda o médico a não receitar algum medicamento que possa lhe fazer mal.

4 – Quando seu médico lhe prescrever um remédio, certifique-se de que você possa ler a receita claramente. Se você não conseguir ler a caligrafia do seu médico, talvez o farmacêutico também não consiga.

5 – Peça informações ao seu médico para que você consiga entender sobre o medicamento e a prescrição:

  • Para que serve o remédio?
  • Como devo tomar e por quanto tempo?
  • Que efeitos colaterais podem surgir? O que fazer se eles ocorrerem?
  • É seguro tomar esse remédio junto com ou outros medicamentos que estou tomando e/ou com a minha atual dieta?
  • Que tipo de comida, bebida ou atividade eu devo evitar enquanto estiver tomando esse remédio?

6 – Ao receber o medicamento na farmácia, pergunte: “este é o remédio exato que o meu médico receitou?”. Isso fará com que o farmacêutico verifique novamente a receita, a fim de evitar qualquer erro.

7 – Se tiver qualquer dúvida sobre a bula do remédio, pergunte. Bulas podem ser difíceis de entender. Por exemplo, pergunte se “quatro vezes ao dia” significa tomar uma dose a cada seis horas exatas (noite e dia) ou apenas durante o dia.

8 – Pergunte ao farmacêutico sobre a melhor forma de medir seu remédio líquido. Por exemplo, muitas pessoas usam colheres de chá, mas que necessariamente podem não conter toda a dose necessária. Utilizar seringas ou copos-medida ajudam a tomar a dose exata.

9 – Peça informação por escrito sobre os efeitos colaterais que o seu medicamento pode causar. Se você sabe que pode haver alguma reação ao remédio, é bom estar preparado caso algo inesperado ocorra.

Como se prevenir de erros em internações em hospitais

10 – Se estiver em um hospital, pergunte a todos os médicos e enfermeiros que precisarem tocar em você se eles lavaram as mãos. Isso ajuda a prevenir doenças e evita que infecções se espalhem no hospital.

11 – Ao receber alta do hospital, peça para o médico explicar sobre o tratamento que você deve seguir em casa. Isso inclui informações sobre os novos remédios, agenda de novas consultas e se você pode retomar suas atividades regulares. É importante saber se você deve ou não continuar tomando os remédios que tomava antes da internação.

Como se prevenir de erros em cirurgias

12 – Se tiver que passar por uma cirurgia, certifique-se de que você, seu médico e o cirurgião estão de acordo com o que deve ser feito. Fazer uma cirurgia do lado errado (por exemplo, operar o joelho esquerdo em vez do direito) é raro, mas pode acontecer. Por isso, é importante que haja um perfeito entendimento do processo até minutos antes de entrar no centro cirúrgico.

13 – Se puder escolher, opte por um hospital especializado na cirurgia que você irá fazer. Prefira hospitais especializado na cirurgia que você precisará fazer. Eles possuem melhores estruturas tanto de equipamentos quanto de profissionais experientes, o que reduz drasticamente as chances de erros.

Como se prevenir de erros médicos gerais

14 – Pergunte se tiver alguma dúvida ou receio. Você tem o direito de questionar tudo o que estiver relacionado com sua saúde.

15 – Certifique-se de que uma única pessoa coordene seu tratamento. Pode ser seu médico principal ou algum médico do hospital (se estiver internado), mas isso é muito importante caso você tenha muitos problemas de saúde.

16 – Garanta que todos os médicos tenham acesso às suas informações de saúde. Em um hospital, você pode ser atendido por muitos plantonistas. Por isso, não presuma que todos possuem as informações completas sobre seu estado.

17 – Peça a um amigo ou parente para ir às consultas com você. Isso garante que outra pessoa além de você receba as informações do médico, podendo ajudar caso você esqueça ou não tenha entendido algo.

18 – Se fizer um exame, não presuma que nenhum resultado é uma boa notícia. Pergunte quando e como você receberá os resultados.

19 – Entenda que “mais” nem sempre é melhor. É uma boa ideia descobrir por que um exame ou tratamento é necessário e como ele pode ajudá-lo. Você poderia estar melhor sem isso.

20 – Aprenda sobre sua condição e tratamentos com seu médico e recorra a outras fontes confiáveis. Pergunte ao seu médico se o seu tratamento é baseado nas evidências clínicas mais recentes. Se não se sentir confortável, busque uma segunda opinião médica – ou até uma terceira, se necessário.

Seguindo essas dicas, você consegue se prevenir de erros em diagnósticos e tratamentos, o que lhe garantirá uma maior segurança e certeza de que está no caminho certo para melhorar sua saúde.


19/dez/2018

Seja uma recomendação de cirurgia, um diagnóstico de câncer ou a suspeita de uma doença rara, há muitos benefícios em pedir uma segunda opinião médica.

As pessoas cometem erros todos os dias é importante lembrarmos que os médicos não estão imunes a esse fato. Além disso, alguns médicos são mais conservadores, enquanto outros tendem a ser mais agressivos em seus diagnósticos. Portanto, suas descobertas e recomendações podem variar drasticamente. Por esse motivo, cada vez mais pacientes estão buscando segundas opiniões ao receberem um diagnóstico.

Seja uma recomendação de cirurgia, um diagnóstico de câncer ou a suspeita de uma doença rara, há muitos benefícios em pedir uma segunda opinião médica. Esses benefícios incluem tudo, desde tranquilidade e confirmação, até um novo diagnóstico ou um plano de tratamento diferente.

Mesmo que a segunda opinião apenas confirme o que você já sabe, ela ainda pode ser benéfica, pois você terá certeza de que fez tudo o que pode para garantir o diagnóstico correto e um plano de tratamento adequado para o seu caso. Uma segunda opinião também pode oferecer informações sobre opções adicionais de tratamento que o primeiro médico pode não ter mencionado. Como resultado, você se torna mais informado sobre o que está disponível para você e pode tomar uma decisão mais assertiva sobre algo de suma importância para a sua vida: a sua saúde.

O que dizem as pesquisas sobre segundas opiniões médicas?

Um estudo conduzido nos EUA por pesquisadores da Clínica Mayo descobriu que 88% dos pacientes que procuram uma segunda opinião saíram do consultório com um diagnóstico novo ou mais detalhado. Enquanto isso, 21% dos pacientes saíram com um diagnóstico “distintamente diferente”. Por outro lado, um estudo publicado no Journal of Evaluation in Clinical Practice, descobriu que apenas 12% dos pacientes tiveram o diagnóstico original correto. Isso significa que um em cada cinco pacientes foi diagnosticado incorretamente.

Durante o estudo, os pesquisadores revisaram os registros de 286 pacientes encaminhados por médicos para a Divisão de Medicina Interna Geral da clínica. Os fatores que motivaram as pessoas a pedirem segundas opiniões incluíram a confirmação do diagnóstico, a insatisfação com a consulta, a necessidade de mais informações e o tratamento dos sintomas persistentes.

Além disso, um estudo controverso conduzido por pesquisadores da Johns Hopkins Medicine diz que os erros médicos são a terceira maior causa de morte dos pacientes, reforçando ainda mais a necessidade de segundas opiniões.

Quando você deve pedir uma segunda opinião médica?

De acordo com a Resolução CONSU nº 8 e o Código de Ética Médica, as fontes pagadoras, tanto públicas quanto privadas, podem solicitar a segunda opinião, trabalhando com sistemas de auditorias eficientes quando em suspeita de exageros e indicações inadequadas de procedimentos.

O parecer nº 114073 do Cremesp relata que o mecanismo da segunda opinião médica é usual em todo mundo e não é antiética. No Brasil, ainda existe um pouco de preconceito em relação a isso, enquanto em outros países trata-se de algo absolutamente normal. Alguns médicos ainda se sentem ofendidos, acreditando tratar-se de uma desconfiança do paciente.

Mas lembre-se de que você não precisa de justificativa para pedir uma segunda opinião, pois há momentos em que esta pode ser sua melhor decisão.

Além do mais, se os dois médicos com quem você se consultou discordam muito, então pode ser uma boa ideia pedir uma terceira opinião. Tenha em mente também que a segunda opinião não é necessariamente a opinião correta. A chave é continuar buscando até que o diagnóstico e o tratamento façam sentido para você.

Mas para te ajudar, a seguir listamos cinco razões pelas quais você deveria pedir uma segunda opinião médica.

Peça uma segunda opinião se tiver passado por tratamento, mas seus sintomas continuarem.

Ninguém conhece o seu corpo melhor do que você. E se os seus sintomas persistirem mesmo após o tratamento indicado, pode ser hora de procurar o conselho de diferentes médicos e especialistas. Na maioria das vezes, as pessoas lutam por si mesmas. Em vez disso, eles presumem que terão que viver com a dor crônica ou sensações desconfortáveis. Mas lembre-se, a única maneira de você obter um tratamento que funciona é obtendo o diagnóstico correto. Então, se você não está se sentindo melhor e seus sintomas não desaparecem, não se contente com isso. Entre em contato com outros médicos.

Peça uma segunda opinião se for diagnosticado com uma doença rara

Às vezes, as doenças são tão raras que há muito pouca pesquisa sobre elas. Quando isso acontece, pode ser frustrante e assustador descobrir que você foi diagnosticado com algo tão raro. Mas você não está sozinho. Muitas outras pessoas também foram diagnosticadas com este tipo de doença. E pelo fato de haver tão pouca informação disponível sobre essas doenças e distúrbios, é importante fazer sua pesquisa, porque os riscos de erros do diagnóstico são significativos. Procure por médicos e especialistas que já trataram de pacientes com seu distúrbio e obtenha a opinião deles. Você precisa ter certeza de que está recebendo o melhor tratamento possível para sua doença.

Peça uma segunda opinião se o tratamento recomendado é arriscado, envolve cirurgia, é invasivo ou tem consequências ao longo da vida

Nunca é aconselhável concordar com a cirurgia ou outro procedimento invasivo sem explorar suas opções. No entanto, algumas pessoas acham que, se um médico sugere um procedimento, elas precisam concordar com isso de imediato. Mas lembre-se, é o seu corpo e a sua vida que estão em jogo. Você tem absolutamente todo o direito de dizer com quais tratamentos concorda. Como resultado, pode ser aconselhável pedir uma segunda opinião se o seu médico estiver recomendando algo tão sério quanto a cirurgia. Ser proativo e coletar mais informações lhe dará um maior grau de controle sobre o seu tratamento.

Peça uma segunda opinião se for diagnosticado com câncer

Com algo tão sério quanto o câncer, ter a opinião de outro especialista faz todo o sentido. Não só o diagnóstico de câncer pode ser confuso e avassalador, mas também é um evento que muda a vida. Portanto, é importante estar o mais informado possível sobre o seu prognóstico e as possíveis opções de tratamento disponíveis. Tenha em mente que nenhum médico está completamente informado sobre os resultados de cada estudo e ensaio clínico no país. Os médicos são humanos. É por isso que você precisa se precaver. Obter opiniões adicionais apenas melhora a probabilidade de que você vai sair com o melhor plano de tratamento possível.

Peça uma segunda opinião se a sua intuição lhe disser que algo está errado

Se por qualquer razão você não estiver confortável com o diagnóstico ou o tratamento recomendado, peça uma segunda opinião. Você nunca deve concordar com um procedimento ou plano de tratamento quando não se sentir bem com isso. Confie no seu instinto e busque mais informações. Faça perguntas, fale com amigos, procure outro médico. E leia sobre sua condição. Ninguém deve sentir que precisa seguir as ordens do médico sem fazer perguntas e coletar mais informações. Pouquíssimas decisões devem tomadas imediatamente no consultório. Portanto, se algo não lhe parece certo, investigue sua situação e converse com outro médico.

Lembre-se, você não está sendo teimoso e nem está negando a sua situação ao solicitar uma segunda opinião médica. Você está sendo inteligente e cauteloso. Hoje já existem empresas especializadas em segunda opinião médica, que te conectam aos melhores especialistas de todo o mundo, que analisam seu caso e te entregam um relatório completo, sem que você tenha que se deslocar.

Você deve sempre ter um papel ativo em seus cuidados com a saúde, e pedir uma segunda opinião é parte importante desse processo. Portanto, seja honesto com seu médico sobre seu desejo de buscar mais informações. E se ele não te apoiar ou te desencorajar, pode ser hora realmente de buscar um novo profissional.


12/Maio/2018

Avanços da medicina permitem que uma cirurgia cardíaca seja feita de forma minimamente invasiva por meio de robôs, resultando em maior precisão e com excelentes resultados pós-cirúrgicos.

Até poucos anos atrás poderia parecer impossível que uma das cirurgias mais complexas existentes pudesse ser feita apenas com pequenas incisões. As cirurgias minimamente invasivas começaram com procedimentos simples, mas o decorrer dos anos e os avanços da medicina permitiram aos cirurgiões realizar cirurgias maiores e cada vez mais complexas.

Atualmente já é possível fazer a cirurgia cardíaca minimamente invasiva. O procedimento é feito através de pequenas incisões no tórax utilizando instrumentos robóticos especializados.

Quando essa cirurgia é necessária?

Com este procedimento menos invasivo, ampliam-se as possibilidades do tratamento cirúrgico das doenças do coração, e já existem muitos tipos de procedimentos cardíacos que podem ser realizados com essa cirurgia robótica. Entre eles, destacam-se:

  • Reparo e substituição da válvula mitral;
  • Reparo e substituição da válvula tricúspide;
  • Substituição valvar aórtica;
  • Defeito do septo atrial e fechamento do forame oval patente;
  • Cirurgia de defeito septal atrioventricular;
  • Procedimento de labirinto para fibrilação arterial;
  • Cirurgia de revascularização miocárdica;
  • Safena de veia safena para cirurgia de revascularização do miocárdio.

 

Benefícios da cirurgia robótica

A cirurgia cardíaca minimamente invasiva não é uma opção para todos, mas pode oferecer benefícios potenciais aos pacientes nos quais ela é realizada. Entre os principais benefícios estão a menos perda de sangue, menos risco de infecção, menos dor, menor tempo de internação no hospital, uma recuperação mais rápida e retorno mais rápido às atividades normais, além de cicatrizes menores e menos perceptíveis.

Como funciona a cirurgia cardíaca robótica?

Os recentes avanços tecnológicos ocorridos concomitantemente à crescente demanda por procedimentos menos invasivos têm ganhado cada vez mais destaque entre os cirurgiões – sim, os robôs têm revolucionado as salas de cirurgia.

Na cirurgia cardíaca robótica é usado um console de computador especialmente projetado para controlar instrumentos cirúrgicos em braços robóticos. Todo o procedimento é feito por um cirurgião especificamente habilitado e treinado para manipular os braços do robô remotamente.

A ideia não é substituir o cirurgião, mas sim ampliar as precisões da cirurgia, principalmente nos casos mais delicados.

Quem pode fazer a cirurgia robótica?

Infelizmente, a cirurgia do coração minimamente invasiva não se aplica a todos os casos. Nem todos podem se submeter a essa cirurgia robótica, pois isso pode variar de caso para caso, dependendo do quadro clínico e das necessidades do paciente.

Apenas o médico e a equipe de tratamento poderão avaliar se o paciente poderá se submeter à cirurgia robótica. O médico deverá realizar exames apropriados para verificar a condição do paciente e se ele atende ao perfil para fazer este tipo de cirurgia.

Em que casos é feita a cirurgia robótica?

Geralmente ela é utilizada para:

  • Correção da valvopatia mitral, aórtica e tricúspide;
  • Correção cirúrgica da fibrilação atrial;
  • Correção da comunicação interatrial (CIA);
  • Ressecção de tumores intracardíacos;
  • Revascularização do miocárdio.

Se você tem problemas de coração e precisa de uma cirurgia, converse com seu médico para entender melhor se você também pode usufruir desses avanços tecnológicos que não param de evoluir.


07/Maio/2018

Com excelentes resultados e ótima recuperação, as atuais cirurgias da válvula mitral têm devolvido a qualidade de vida para algumas crianças.

Afinal, o que é a válvula mitral?  Ela é a estrutura do coração responsável pela passagem de sangue do átrio para o ventrículo esquerdo. Infelizmente, o número de crianças com lesões nesta válvula tem sido consideravelmente alto nos últimos tempos.

Mas, graças ao avanço da tecnologia, nem sempre é necessário a realização de uma cirurgia cardíaca. Técnicas minimamente invasivas vêm sendo cada vez mais utilizadas por se mostrarem mais benéficas para os pacientes tanto do ponto de vista funcional quanto estético.

Por isso, tem sido comum a substituição ou troca da válvula cardíaca, principalmente em crianças.

O que é prolapso da válvula mitral?

O prolapso da válvula mitral (ou sopro no coração) é um problema cardíaco comum, no qual a válvula que separa as câmaras superior e inferior do lado esquerdo do coração não fecha apropriadamente. A internação de pacientes com prolapso da valva mitral (PVM) raramente é necessária, exceto no caso de complicações ou para consideração de intervenção cirúrgica.

Na infância, a PVM não é progressiva e a terapia específica não é indicada para a maioria dos pacientes. Pacientes assintomáticos com cliques sistólicos mitrais isolados precisam apenas de aconselhamento e reafirmação. O acompanhamento clínico e ecocardiográfico a cada 2 ou 5 anos pode ser suficiente.

É necessário evitar o uso excessivo de cafeína, cigarros, álcool e medicamentos vendidos sem prescrição médica que contenham estimulantes como epinefrina ou efedrina.

Cirurgia cardíaca robótica

A cirurgia cardíaca robótica representa um grande avanço no campo das intervenções minimamente invasivas. Por meio desta técnica já é possível realizar procedimentos com incisões mínimas e com o auxílio de um sistema robótico. Um cirurgião especificamente habilitado e treinado manipula remotamente os braços do robô por meio de um console.

Um dos braços robóticos segura uma microcâmera que é inserida no tórax do paciente para captar imagens em alta definição, ampliadas e tridimensionais, o que confere maior nitidez à cirurgia. As imagens são enviadas ao console para que o médico as visualize.

Cirurgia da válvula mitral em crianças

Avanços relativamente recentes tornaram a cirurgia valvar mitral reconstrutiva viável em pacientes com insuficiência cardíaca congestiva, insuficiência mitral grave (RM) secundária ao prolapso da válvula mitral, ou ambos. Alguns cirurgiões defendem o reparo robótico da válvula mitral por ser uma abordagem menos invasiva e com bons resultados.

Em um estudo retrospectivo (1993-2013) de 4.477 crianças submetidas à cirurgia mitral para avaliar se a correção cirúrgica da válvula de duplo folheto reduz a incidência de disritmias ventriculares, 5 de 8 crianças que tiveram prolapso da válvula mitral, mostraram uma boa recuperação pós-cirúrgica e redução de arritmia cardíaca. O que mostra que cada vez mais crianças poderão seguir suas vidas normalmente, graças aos avanços da tecnologia.


08/abr/2018

Conheça os últimos avanços da medicina no tratamento do câncer e veja os benefícios que eles trazem para os pacientes.

De acordo com as últimas estatísticas globais, quase 9 milhões de pessoas por ano perdem a vida devido ao câncer. Isso equivale a aproximadamente 22 mil mortes por dia. A grande variedade de tipos de câncer e os seus diversos sintomas acabam dificultando o tratamento, e essas estatísticas preocupantes ressaltam a urgência de encontrar melhores soluções para os pacientes. Mas a boa notícia é que na última década o tratamento da doença avançou, tanto no âmbito tecnológico quanto na abordagem multiprofissional, e no atendimento individualizado dos pacientes.

Com o passar dos anos, percebeu-se que muitos cânceres que eram considerados como sendo de um determinado tipo, na realidade eram tipos diferentes e, por isso, alguns tratamentos eram ineficazes. Dessa forma, uma das grandes mudanças adotadas foi o tratamento individualizado.

Hoje se estuda o perfil biológico do tumor, identificando suas alterações específicas. Um exemplo para entender isso melhor é o fato de antigamente tratar-se o câncer de mama após a cirurgia da mesma maneira que antes dela. Hoje os tratamentos pré e pós-cirúrgicos são bastantes distintos. Além disso, outro avanço é com relação à cirurgia. Atualmente o tratamento cirúrgico é bem mais conservador, tendo uma maior preservação dos órgãos.

Avanços no tratamento do câncer

Tecnologia

Na parte tecnológica, as cirurgias robóticas vêm ganhando destaque. Isto porque ela é menos invasiva e, como consequência, ocorre menos sangramento e há menos dor. O paciente que se submete a uma cirurgia robótica tende a ficar menos tempo internado e com melhores resultados funcionais, melhorando ainda mais o tratamento de muitos tumores.

Quimioterapia

No campo do tratamento com quimioterapia também ocorreram bons avanços. Passou-se a utilizar medicamentos específicos, como antagonistas hormonais, anticorpos monoclonais e modalidades da terapia alvo-dirigida, que têm mostrado melhores resultados nas respostas dos pacientes ao tratamento.

Radioterapia

Com o avanço da tecnologia, as máquinas atuam com muito mais precisão, programadas para irradiar apenas o tumor, preservando ao máximo os órgãos saudáveis adjacentes. A radioterapia estereotáxica, por exemplo, permite irradiar precisamente um tumor no pulmão e no fígado, mesmo com os movimentos respiratórios do paciente a movimentação natural destes órgãos. Com isso, a probabilidade de efeitos colaterais e sequelas é reduzida drasticamente, o que permite ao paciente uma recuperação muito mais rápida.

Imunoterapia

A imunoterapia foi considerada o maior avanço dos últimos anos no combate ao câncer. Esta técnica estimula o organismo do paciente a detectar a doença e atacá-la, por meio de drogas que modificam a resposta imunológica do doente.  É sem dúvida uma revolução dentro do tratamento do câncer.

Nas últimas décadas, a imunoterapia tornou-se uma parte importante do tratamento de alguns tipos de câncer. Novos tipos de tratamentos imunológicos estão sendo estudados e terão grande impacto sobre como trataremos o câncer no futuro.

O mais importante é que os estudos não param. Muitos tipos mais recentes de imunoterapia estão sendo estudados para uso contra o câncer e a esperança de cura definitiva para esta doença é cada vez maior. E os pacientes agradecem.