VEJA NOSSAS NOVIDADES



AdobeStock_206124704-e1559049996631-1200x800.jpeg
28/Maio/2019

Veja como você pode arruinar seu corpo de forma surpreendente ao adotar um estilo de vida sedentário – e aprenda como mudar isso.

Nos dias atuais não há quem não reclame que a vida está corrida. E pela falta de tempo, cada vez mais pessoas esquecem de priorizar a saúde.

O trabalho – e toda a rotina que advém dele – acaba tomando conta da agenda diária das pessoas e o corpo, que foi feito para estar em constante movimento, vai perdendo sua mobilidade e ficando cada vez mais parado.

E como consequência dessas escolhas, muitos deixam de lado a prática de atividades físicas, fazendo com o que o número do sedentarismo cresça assustadoramente.

A maioria dos profissionais de saúde recomendam que devemos andar 10 mil passos por dia. Este seria o número ideal para melhorar a saúde e reduzir os riscos causados ​​pela inatividade.

Uma das piores coisas que você pode fazer com o seu corpo é não fazer nada: passar o dia sentado pode ser tão perigoso quanto ser obeso, de acordo com um estudo da Universidade de Cambridge.

Quais os perigos do sedentarismo para a saúde?

Mundialmente, um em cada quatro adultos não está se movimentando o suficiente, de acordo com a Organização Mundial de Saúde. E mesmo se você acha que é uma pessoa ativa, pode estar passando tempo demais na frente da TV quando não está na academia, o que também coloca sua saúde em risco.

Uma das mais graves consequências do sedentarismo é sem dúvida a obesidade. O número de pessoas obesas cresce cada dia, sejam adultas ou crianças, a obesidade é sem dúvida um mal do nosso tempo.

A obesidade não é a única consequência do sedentarismo, existem outras prejudiciais para a saúde como o aumento do risco de câncer; diabetes tipo 2; desenvolvimento de doenças cardiovasculares; pressão alta e níveis elevados de colesterol.

Além disso, os efeitos do sedentarismo vão muito além do que você pensa. Claro, seu comportamento sedentário pode prejudicar seu coração e aumentar o peso, mas também pode ser responsável por alguns efeitos mais surpreendentes.

Sintomas e consequências do sedentarismo

Sedentarismo contribui para ansiedade e depressão: Nota-se que além do impacto físico, o sedentarismo traz também um impacto negativo no bem-estar mental da pessoa. Segundo alguns estudos, quem tem um estilo de vida sedentário tem maiores problemas com sua saúde emocional mental.

Anda sentindo-se deprimido? É culpa da sua cadeira! Depois de pesquisar mais de 3.300 funcionários do governo, pesquisadores australianos descobriram que homens que permaneciam mais de 6 horas por dia no trabalho tinham 90% mais chances de sentir distúrbios psicológicos moderados – como se sentir nervosos, inquietos, desesperados ou até cansados – do que homens que se sentaram por menos de 3 horas por dia.

Sedentarismo aumenta o risco de câncer: Uma análise alemã de 43 estudos diferentes, incluindo mais de 4 milhões de pessoas, descobriu que o comportamento sedentário aumenta significativamente o risco de vários tipos de câncer.

As pessoas que registraram o maior tempo sentadas experimentaram um risco 24 por cento maior de desenvolver câncer de cólon, um risco 32 por cento maior de câncer de endométrio e um risco 21 por cento maior de câncer de pulmão.

Além disso, os riscos dobram em pessoas que geralmente gastam seu tempo sentados na frente da TV, possivelmente porque você tende a comer bebidas açucaradas e junk foods, dizem os pesquisadores.

Sedentarismo prejudica sua memória: Sua saúde cerebral sofre quando você fica sentado por muito tempo: adultos mais velhos que são sedentários podem ter a mesma probabilidade de desenvolver demência do que pessoas geneticamente predispostas à condição, descobriu uma nova pesquisa publicada no Journal of Alzheimer’s Disease.

Em um estudo com mais de 1.600 adultos com 65 anos ou mais, os pesquisadores descobriram que pessoas com um gene fortemente associado à demência tinham quase duas vezes mais chances de desenvolvê-lo do que pessoas sem o gene. Mas quando olhavam para pessoas que não se exercitavam regularmente, descobriram que suas chances de desenvolver demência eram semelhantes.

Sedentarismo causa picos de açúcar no sangue: Mesmo se você estiver com um peso saudável, seus níveis de açúcar no sangue podem aumentar se você ficar parado em uma cadeira por muito tempo. Na verdade, os adultos sedentários têm maior probabilidade de ter níveis de açúcar no sangue de 5,7% ou mais, que é alto o suficiente para ser considerado pré-diabético.

Sedentarismo prejudica sua vida sexual: Seu comportamento sedentário pode levar a uma problemas sexuais. Homens com uma barriga maior – ou uma cintura de 100 cm ou mais – têm probabilidade duas vezes maior de ter disfunção erétil (DE) do que aqueles com cinturas abaixo de 80 cm, segundo um estudo de Harvard.

Sedentarismo reduz a qualidade do sono: Você já sentiu que dormiu mais profundamente depois de fazer um ótimo treino? Isso porque o exercício de pelo menos 150 minutos por semana pode melhorar a qualidade do seu sono. Quando as pessoas praticam atividade física, o risco de sonolência diurna cai em comparação com as pessoas que não se exercitam.

Sedentarismo causa dores na coluna:  Os efeitos de curvar-se na frente do computador podem durar além do seu dia de trabalho. Sentar-se por apenas 4 horas seguidas pode aumentar a pressão sobre os discos da região lombar. Essa compressão pode levar à degeneração do disco, um culpado comum por trás da famosa dor nas costas.

<h2>Como resolver os problemas causados pelo sedentarismo?

A solução para evitar os males do sedentarismo é bem simples: movimente-se!

O aumento da atividade física pode trazer fim para os problemas causados pelo sedentarismo.

Desta forma, inclua em sua rotina diária exercícios físicos regulares. Se a sua vida é bem corrida, organize-se, planeja-se e você verá que sempre tempo para cuidar da sua.

O que falta muitas vezes é um planejamento e, também, definições de prioridade. Em nosso dia-a-dia priorizamos reuniões, trabalho e esquecemos que para tudo isso funcionar é necessário ter saúde.

Por isso é fundamental que o sedentarismo saia da sua vida o mais rápido possível.

Algumas mudanças no cotidiano podem trazer benefícios rápidos para nossa saúde:

  • Vá caminhando ou de bicicleta para o trabalho;
  • Na hora do almoço faço passeios a pé por onde trabalha;
  • Lembre-se de se levantar a cada 30 minutos no trabalho;
  • Aproveite o tempo livre para se movimentar e não só assistir televisão;
  • Troque o elevador por escada.

Veja alguns dos benefícios do exercício físico para a saúde:

  • Controle do peso;
  • Melhora do perfil do lipidograma;
  • Melhora do humor;
  • Aumento da produção de energia;
  • Sono equilibrado;
  • Melhora do apetite sexual.

O corpo fica “feliz” com a prática de atividades físicas, tanto que mesmo cansado depois de atividade física, a sensação é de renovação e bem-estar.

É mais fácil do que você pensa de acabar com o sedentarismo, basta ter vontade, se planejar e criar novos hábitos saudáveis. Aumentando a quantidade de atividade física os riscos de uma vida sedentária acabam.


AdobeStock_183543292-1200x669.jpeg
16/Maio/2019

Entenda os riscos para sua saúde ao procurar remédios e tratamentos milagrosos e aprenda a reconhecer fraudes para evitar problemas.

Todos nós já vimos propagandas de remédios ou tratamentos de saúde milagrosos em revistas e banners na web. E se você estiver sofrendo de uma dessas doenças ou sintomas, é difícil não se sentir atraído a experimentar. E, assim, você acaba se perguntando: será que isso é verdade?

A resposta é: não. Anúncios com alegações de promessas milagrosas de saúde como essas são quase sempre falsos. No entanto, eles são habilmente criados para atrair as pessoas, desperdiçando seu dinheiro em curas que não funcionam e, muitas vezes, impedindo-as de procurar o verdadeiro cuidado de que precisam.

Para evitar cair nessas alegações de “cura milagrosa”, você precisa aprender a reconhecer os sinais reveladores de uma fraude e saber onde procurar informações de saúde reais e úteis.

Como os tratamentos milagrosos desperdiçam seu dinheiro

A única coisa na qual os chamados tratamentos milagrosos são realmente bons é em desperdiçar seu dinheiro. Veja como eles fazem isso:

  • Eles não funcionam. Somente nos EUA, por exemplo, os americanos pagam bilhões de dólares a cada ano em produtos e tratamentos de saúde que não funcionam. Em 2013, quase US$ 6 milhões foram gastos em reembolsos para clientes que compraram produtos falsos para perda de peso e prevenção do câncer. As empresas que vendem esses produtos atraem clientes com alegações enganosas e falsos depoimentos de supostos ‘clientes’.
  • Eles são caros. Ao entrar em contato para saber mais informações sobre o produto ou tratamento, a pessoa descobre que, além do preço alto, será necessário comprar produtos adicionais ou em grande quantidade, o que eleva muito o custo. Ou seja, você ainda paga caro por algo que não funciona.
  • Eles prejudicam sua saúde. Os clientes geralmente acham que os tratamentos de saúde falsos são seguros porque os anúncios os descrevem como produtos “naturais”. No entanto, “natural” claramente não significa inofensivo. Muitos dos venenos mais mortais do mundo vêm de plantas, e alguns deles – como o cianureto – são encontrados em remédios falsos.
  • Eles interagem com outras drogas. Até mesmo produtos que não são prejudiciais por si só podem interagir de maneira perigosa com outros medicamentos que você está tomando. Como esses remédios falsos não são prescritos por um médico de verdade que conhece seu histórico de saúde, não há como detectar esses problemas até que eles causem alguma reação, o que pode levar a uma internação de emergência no hospital.
  • Eles tomam o lugar do tratamento real. Se você depositar sua fé nesses ‘remédios milagrosos’, é improvável que você vá a um médico de verdade e receba o tratamento adequado de que precisa. Muitas pessoas perdem anos tentando se tratar com produtos que não tem qualquer efeito, enquanto seus problemas de saúde pioram e pioram. Quando finalmente aceitam consultar um médico de verdade, suas condições de saúde pioraram, o que torna o tratamento mais difícil e caro.

Tipos de golpes de saúde

Se você tivesse um problema de saúde que fosse fácil de tratar, como acnes, provavelmente procuraria um médico ou compraria algum remédio na farmácia. No entanto, se você já tivesse ido a vários médicos e nenhum tratamento tivesse funcionado, você poderia começar a se sentir um pouco desesperado. E provavelmente ficaria tentado a testar qualquer coisa que oferecesse alívio para seus sintomas.

É por isso que golpes de tratamentos milagrosos miram pessoas com problemas de saúde difíceis de tratar. Muitas destas são doenças para as quais a ciência médica atualmente não tem cura, como HIV, diabetes, esclerose múltipla e doença de Alzheimer. Outros são problemas para os quais os tratamentos reais são difíceis, dolorosos ou nem sempre eficazes, como o câncer.

Os remédios do charlatão oferecem às pessoas portadoras dessas doenças a esperança de que possam finalmente se libertar de uma vez por todas. Infelizmente, isso é um problema que eles não conseguem resolver.

Qual tratamento realmente funciona?

A verdade é que não existe uma cura para o câncer, por exemplo, que funcione para todos. Cada caso individual de câncer é diferente, e o melhor curso de tratamento varia com base no tipo de câncer e no indivíduo. Muitas vezes, duas pessoas com exatamente o mesmo câncer ainda precisam de tratamentos diferentes. Consultar um médico – ou, muitas vezes, uma equipe de médicos – é a única maneira de encontrar o curso de tratamento que tem a melhor chance de trabalhar para você.

Vale a pena arriscar um tratamento revolucionário?

Apesar das fraudes em tratamentos de saúde, existe muita pesquisa científica séria e profissionais dedicados que se dedicam constantemente à busca de novos tratamentos e alternativas que possam curar ou reduzir os sintomas de diversas doenças.

Esses tratamentos percorrem um longo caminho até poderem ser oficialmente aplicados nos pacientes. São realizados inúmeros testes em laboratórios e há incontáveis processos pelos quais eles devem ser submetidos até que possam ser aplicados ou comercializados, com o aval da FDA (Food and Drug Administration). O processo pode levar anos.

Em condições muito especiais, alguns desses tratamentos são abertos a candidatos que se dispõem a testá-los. Geralmente são portadores de doenças graves, cujos tratamentos convencionais já não surtem mais efeito. Mas, em geral, um tratamento ou remédio revolucionário só está disponível após a certeza de que sua eficácia tenha sido comprovada.

Se você viu algum desses tratamentos na TV ou na internet e gostaria de saber mais a respeito, a melhor forma de obter informações concretas e reais sobre ele é buscar a opinião de um médico especialista na área.

A consulta com um especialista, de preferência um médico de renome em sua área, pode esclarecer muitas dúvidas e lançar uma nova luz na condição de saúde do paciente.

Às vezes o resultado pode vir não de um tratamento milagroso ou revolucionário, mas de um tratamento correto que só um especialista é capaz de diagnosticar.

Lembre-se sempre de que é a sua saúde e o seu dinheiro que estão em jogo. Em vez de gastar com tratamentos duvidosos que não surtirão efeito ou podem até piorar sua saúde, invista na consulta com médicos especialistas na sua doença. O resultado pode fazer toda a diferença na sua vida.

Conheça nossas soluções de Guia Médico e encontre os melhores especialistas para o seu tratamento.


Fotolia_200277997_Subscription_Monthly_M-1200x801.jpg
14/jan/2019

Entenda como a Medicina Personalizada tem se mostrado um tratamento com melhores resultados no combate ao câncer.

Se você ou alguém que você conhece é portador de câncer, provavelmente está vasculhando tudo o que puder para encontrar a melhor maneira de vencer a doença. É provável que você tenha visto termos como ‘medicina personalizada’, ‘medicina de precisão’ ou ‘drogas específicas’.

Mas afina, o que significam estes termos?  E. mais importante, elas podem ajudá-lo?

A medicina personalizada (também chamada de medicina de precisão ou farmacogenética) é uma nova maneira de combater o câncer. Ele utiliza informações sobre o paciente e seu tumor para descobrir o que está causando a doença e criar um plano personalizado para a pessoa.

Medicina Personalizada: a genética é o professor

Durante anos o tratamento do câncer foi um processo que seguia um padrão. Você teria uma cirurgia para remover um tumor, depois quimioterapia ou radiação para matar as células cancerígenas. Mas bombardear o câncer com quimioterapia ou radiação também mata as células saudáveis, o que pode levar a uma série de efeitos colaterais desagradáveis.

Hoje os pesquisadores podem examinar suas células cancerosas e aprender a ordem dos genes em seu DNA. Enquanto a maioria das células do corpo do paciente possui genes idênticos, os que estão nas células cancerígenas apresentam mutações ou alterações. É isso o que as transforma em tumores.

Além disso, o câncer de uma pessoa pode ter alterações genéticas diferentes das de outra. Os cientistas também sabem que, geneticamente, o câncer de mama de uma pessoa pode ser mais semelhante ao tumor gástrico de outra pessoa do que a outros cânceres de mama. Isso torna a necessidade de medicamentos personalizados ainda maior.

Medicina Personalizada: Combinando os pacientes com as drogas corretas

A agência FDA (Food and Drug Administration) aprovou mais de uma dúzia de drogas que visam uma dessas mutações. Eles incluem o imatinibe (Glivec), um medicamento usado na leucemia mielogênica crônica, e o trastuzumabe, o medicamento contra o câncer de mama (Herceptin).

A genética do tumor também pode dizer aos médicos quais drogas não funcionam. Por exemplo, se o câncer de cólon tiver uma mutação genética chamada KRAS, os médicos não administrarão dois remédios comuns contra o câncer de cólon, porque sabem que não funcionarão.

Muitos centros clínicos fazem algo chamado de perfilamento do tumor. O médico analisa os genes do tumor. Se ele acha que o câncer pode ter mutações específicas, ele pode começar com um medicamento específico que é adaptado para a mutação genética encontrada nas células cancerosas do seu paciente.

Por exemplo, se a pessoa tem câncer de mama, um teste genético diria se o Herceptin pode funcionar para ela ou não.

A criação de perfis também pode ajudar caso outras opções de tratamento, como a quimioterapia, não funcionarem para o paciente. Uma mutação genética pode levar a equipe médica a utilizar um medicamento inesperado, como um originalmente concebido para outro tipo de câncer.

A Medicina Personalizada não é um tratamento milagroso

A Medicina Personalizada funciona melhor para reduzir tumores – e salvar vidas – do que o tratamento tradicional. Mas nem sempre é uma cura.

Os tumores podem conter células com diferentes mutações genéticas, de modo que uma terapia direcionada projetada para capturar células com uma mutação pode funcionar apenas em parte de um tumor. As células que permanecem podem continuar crescendo.

Converse com seu médico para descobrir se essa abordagem pode funcionar para você.

Um novo tipo de ensaio clínico

Os testes-padrão para testar tratamentos de câncer usam pessoas cujos tumores são similares em tamanho ou localização. Eles podem escolher apenas pessoas com câncer de pulmão em estágio IV, por exemplo. Mas agora que há medicina personalizada, os pesquisadores precisam de novas maneiras de estudar como os tratamentos direcionados funcionam em uma variedade de cânceres.

Os ‘testes de cestas’ combinam pessoas com muitos tipos diferentes de câncer em uma única ‘cesta’ e usam uma abordagem de medicina de precisão para encontrar tratamentos que funcionem. Assim, um único teste pode incluir pessoas com muitos medicamentos diferentes.

A criação de novos tratamentos requer um constante intercâmbio entre médicos e cientistas. Novas drogas são feitas para combater novas alterações genéticas. Então, eles são clinicamente testados. À medida que os tumores mudam, mais medicamentos novos se tornarão disponíveis.


19/dez/2018

Seja uma recomendação de cirurgia, um diagnóstico de câncer ou a suspeita de uma doença rara, há muitos benefícios em pedir uma segunda opinião médica.

As pessoas cometem erros todos os dias é importante lembrarmos que os médicos não estão imunes a esse fato. Além disso, alguns médicos são mais conservadores, enquanto outros tendem a ser mais agressivos em seus diagnósticos. Portanto, suas descobertas e recomendações podem variar drasticamente. Por esse motivo, cada vez mais pacientes estão buscando segundas opiniões ao receberem um diagnóstico.

Seja uma recomendação de cirurgia, um diagnóstico de câncer ou a suspeita de uma doença rara, há muitos benefícios em pedir uma segunda opinião médica. Esses benefícios incluem tudo, desde tranquilidade e confirmação, até um novo diagnóstico ou um plano de tratamento diferente.

Mesmo que a segunda opinião apenas confirme o que você já sabe, ela ainda pode ser benéfica, pois você terá certeza de que fez tudo o que pode para garantir o diagnóstico correto e um plano de tratamento adequado para o seu caso. Uma segunda opinião também pode oferecer informações sobre opções adicionais de tratamento que o primeiro médico pode não ter mencionado. Como resultado, você se torna mais informado sobre o que está disponível para você e pode tomar uma decisão mais assertiva sobre algo de suma importância para a sua vida: a sua saúde.

O que dizem as pesquisas sobre segundas opiniões médicas?

Um estudo conduzido nos EUA por pesquisadores da Clínica Mayo descobriu que 88% dos pacientes que procuram uma segunda opinião saíram do consultório com um diagnóstico novo ou mais detalhado. Enquanto isso, 21% dos pacientes saíram com um diagnóstico “distintamente diferente”. Por outro lado, um estudo publicado no Journal of Evaluation in Clinical Practice, descobriu que apenas 12% dos pacientes tiveram o diagnóstico original correto. Isso significa que um em cada cinco pacientes foi diagnosticado incorretamente.

Durante o estudo, os pesquisadores revisaram os registros de 286 pacientes encaminhados por médicos para a Divisão de Medicina Interna Geral da clínica. Os fatores que motivaram as pessoas a pedirem segundas opiniões incluíram a confirmação do diagnóstico, a insatisfação com a consulta, a necessidade de mais informações e o tratamento dos sintomas persistentes.

Além disso, um estudo controverso conduzido por pesquisadores da Johns Hopkins Medicine diz que os erros médicos são a terceira maior causa de morte dos pacientes, reforçando ainda mais a necessidade de segundas opiniões.

Quando você deve pedir uma segunda opinião médica?

De acordo com a Resolução CONSU nº 8 e o Código de Ética Médica, as fontes pagadoras, tanto públicas quanto privadas, podem solicitar a segunda opinião, trabalhando com sistemas de auditorias eficientes quando em suspeita de exageros e indicações inadequadas de procedimentos.

O parecer nº 114073 do Cremesp relata que o mecanismo da segunda opinião médica é usual em todo mundo e não é antiética. No Brasil, ainda existe um pouco de preconceito em relação a isso, enquanto em outros países trata-se de algo absolutamente normal. Alguns médicos ainda se sentem ofendidos, acreditando tratar-se de uma desconfiança do paciente.

Mas lembre-se de que você não precisa de justificativa para pedir uma segunda opinião, pois há momentos em que esta pode ser sua melhor decisão.

Além do mais, se os dois médicos com quem você se consultou discordam muito, então pode ser uma boa ideia pedir uma terceira opinião. Tenha em mente também que a segunda opinião não é necessariamente a opinião correta. A chave é continuar buscando até que o diagnóstico e o tratamento façam sentido para você.

Mas para te ajudar, a seguir listamos cinco razões pelas quais você deveria pedir uma segunda opinião médica.

Peça uma segunda opinião se tiver passado por tratamento, mas seus sintomas continuarem.

Ninguém conhece o seu corpo melhor do que você. E se os seus sintomas persistirem mesmo após o tratamento indicado, pode ser hora de procurar o conselho de diferentes médicos e especialistas. Na maioria das vezes, as pessoas lutam por si mesmas. Em vez disso, eles presumem que terão que viver com a dor crônica ou sensações desconfortáveis. Mas lembre-se, a única maneira de você obter um tratamento que funciona é obtendo o diagnóstico correto. Então, se você não está se sentindo melhor e seus sintomas não desaparecem, não se contente com isso. Entre em contato com outros médicos.

Peça uma segunda opinião se for diagnosticado com uma doença rara

Às vezes, as doenças são tão raras que há muito pouca pesquisa sobre elas. Quando isso acontece, pode ser frustrante e assustador descobrir que você foi diagnosticado com algo tão raro. Mas você não está sozinho. Muitas outras pessoas também foram diagnosticadas com este tipo de doença. E pelo fato de haver tão pouca informação disponível sobre essas doenças e distúrbios, é importante fazer sua pesquisa, porque os riscos de erros do diagnóstico são significativos. Procure por médicos e especialistas que já trataram de pacientes com seu distúrbio e obtenha a opinião deles. Você precisa ter certeza de que está recebendo o melhor tratamento possível para sua doença.

Peça uma segunda opinião se o tratamento recomendado é arriscado, envolve cirurgia, é invasivo ou tem consequências ao longo da vida

Nunca é aconselhável concordar com a cirurgia ou outro procedimento invasivo sem explorar suas opções. No entanto, algumas pessoas acham que, se um médico sugere um procedimento, elas precisam concordar com isso de imediato. Mas lembre-se, é o seu corpo e a sua vida que estão em jogo. Você tem absolutamente todo o direito de dizer com quais tratamentos concorda. Como resultado, pode ser aconselhável pedir uma segunda opinião se o seu médico estiver recomendando algo tão sério quanto a cirurgia. Ser proativo e coletar mais informações lhe dará um maior grau de controle sobre o seu tratamento.

Peça uma segunda opinião se for diagnosticado com câncer

Com algo tão sério quanto o câncer, ter a opinião de outro especialista faz todo o sentido. Não só o diagnóstico de câncer pode ser confuso e avassalador, mas também é um evento que muda a vida. Portanto, é importante estar o mais informado possível sobre o seu prognóstico e as possíveis opções de tratamento disponíveis. Tenha em mente que nenhum médico está completamente informado sobre os resultados de cada estudo e ensaio clínico no país. Os médicos são humanos. É por isso que você precisa se precaver. Obter opiniões adicionais apenas melhora a probabilidade de que você vai sair com o melhor plano de tratamento possível.

Peça uma segunda opinião se a sua intuição lhe disser que algo está errado

Se por qualquer razão você não estiver confortável com o diagnóstico ou o tratamento recomendado, peça uma segunda opinião. Você nunca deve concordar com um procedimento ou plano de tratamento quando não se sentir bem com isso. Confie no seu instinto e busque mais informações. Faça perguntas, fale com amigos, procure outro médico. E leia sobre sua condição. Ninguém deve sentir que precisa seguir as ordens do médico sem fazer perguntas e coletar mais informações. Pouquíssimas decisões devem tomadas imediatamente no consultório. Portanto, se algo não lhe parece certo, investigue sua situação e converse com outro médico.

Lembre-se, você não está sendo teimoso e nem está negando a sua situação ao solicitar uma segunda opinião médica. Você está sendo inteligente e cauteloso. Hoje já existem empresas especializadas em segunda opinião médica, que te conectam aos melhores especialistas de todo o mundo, que analisam seu caso e te entregam um relatório completo, sem que você tenha que se deslocar.

Você deve sempre ter um papel ativo em seus cuidados com a saúde, e pedir uma segunda opinião é parte importante desse processo. Portanto, seja honesto com seu médico sobre seu desejo de buscar mais informações. E se ele não te apoiar ou te desencorajar, pode ser hora realmente de buscar um novo profissional.


Fotolia_101892070_Subscription_Monthly_M-1200x798.jpg
21/set/2018

Recebeu más notícias do seu médico? Veja como enfrentar esse diagnóstico delicado com calma e determinação para seguir em frente e dar os próximos passos.

Receber más notícias do seu médico pode ser devastador. Não é fácil enfrentar o diagnóstico de uma doença grave ou de tratamento complicado.  É um momento paralisante, onde todas as preocupações anteriores desaparecem e você se depara com um território novo e aterrorizante.

O diagnóstico complicado é delicado tanto para o paciente que o recebe quanto para o médico que o comunica. E por mais que o tempo pareça parar e você não saiba o que fazer, é preciso seguir em frente.

Sentir medo e dúvida são totalmente normais nesse momento. Mas é importante para a sua saúde, entretanto, manter o foco no que pode aprender durante esses tempos difíceis e encontrar ajuda  para manter a calma para tomar as decisões corretas.

Aprenda o máximo que puder

Ao receber um diagnóstico delicado, procure aprender e pesquisar o máximo que puder sobre a doença, a sua situação e as opções de tratamento. Não fique com vergonha, pergunte tudo o que puder (e quiser) para o médico. Esse é o momento de colocar todas as cartas na mesa.

Uma dica é ter sempre alguém com você durante as consultas. Ao receber o diagnóstico, você pode ser incapaz de se concentrar ou de pensar racionalmente. Por isso, sua companhia poderá fazer as perguntas necessárias e até transmitir mais calma e tranquilidade.

Ter uma visão clara dos fatos vai te ajudar a pensar nos próximos passos. Às vezes o medo desaparece ao descobrir que um simples procedimento pode resolver o problema. Mas quando é preciso encarar um tratamento mais demorado, ter apoio e o máximo de informações possíveis ajudará a reduzir a ansiedade para trilhar esse caminho com mais confiança.

Cuidado com as informações que você obtém

É totalmente normal querer buscar na internet mais informações sobre a doença com a qual você foi diagnosticado, bem como seus respectivos tratamentos. Mas tome muito cuidado com isso.

Tenha em mente que muitos sites contêm informações incorretas ou baseadas em pesquisas desatualizadas. O ideal é perguntar ao seu médico se ele conhece algum site confiável onde você possa obter mais informações sobre o seu diagnóstico.

Peça uma segunda opinião

Se o diagnóstico que você recebeu é grave e implica em uma cirurgia ou tratamento de risco, procure uma segunda opinião médica.

Faça isso também em relação aos tratamentos a serem realizados. Você precisa estar ciente de todas as opções e alternativas possíveis.Uma segunda opinião médica pode complementar e contribuir para tornar o diagnóstico mais assertivo, proporcionando mais segurança ao paciente.

Esteja preparado para mudanças positivas na sua vida

Não é incomum pessoas que passaram por doenças graves afirmarem que suas vidas se tornaram mais significativas depois dessa experiência, mesmo que tenham ficado com alguma sequela. O fato de estarem vivas, poderem retomar suas rotinas e estarem próximas das pessoas que amam tornam-se motivos de alegria e gratidão para essas pessoas.

Receber um diagnóstico delicado não é fácil. Mas com fé, determinação, informação e apoio, o percurso do tratamento torna-se menos longo e mais fácil de ser percorrido.

 


20/abr/2018

Receber o diagnóstico de câncer não significa o fim de tudo. Veja aqui quais são os principais obstáculos de um paciente e como superá-los.

Definitivamente, o câncer muda a vida das pessoas. Não é fácil escutar: “Você está com câncer”. São simples palavras, mas com grande poder e impacto sobre quem as ouve. Para muitos, é como se seus sonhos e planos para a vida fossem interrompidos ao ouvir essa frase. Certamente, o maior desafio desta jornada começa com o recebimento da notícia. O paciente com câncer e sua família passam a enfrentar duas lutas: uma interna contra medos e inseguranças; e outra externa com o tratamento.

Muitas vezes a luta parece maior quando você não sabe nem por onde começar. Como será o tratamento? Quanto tempo isso vai durar? Tem cura? Como fica minha família nesse período? E ter que lutar pela vida, além de tudo isso, parece assustador. Afinal, receber a notícia que sua meta de vida agora é viver não é algo simples.

Ansiedade, medo e depressão afetam a saúde emocional não só dos pacientes como dos familiares ao seu redor. Dúvidas como “quanto tempo me resta?”, “o tratamento dará resultado?”, “como ficará minha família?”, entre tantas outras, podem ser angustiantes e assustadoras para os pacientes, caso não tenham o apoio e a orientação necessários.

Algumas pessoas conseguem administrar a notícia com mais fé e, desde o primeiro momento, lutam para vencer a doença. Sobreviver torna-se a sua ‘paixão’ e não medem esforços para conseguir a vitória.

Quais as maiores barreiras que os pacientes com câncer enfrentam?

Os pacientes com câncer precisam superar muitos desafios desde o início. A primeira barreira que precisam vencer é da ansiedade, uma reação normal ao câncer, primeiro porque a sensação de estar perdido, sem saber para onde ir, é avassaladora. Depois, esperar pelos resultados de exames e pelo diagnóstico final também pode ser uma grande tortura para muitos.  Fortalecer o lado emocional, contar com o apoio da família e de amigos e de profissionais competentes, além de procurar seguir a vida da forma mais natural possível ajuda a reduzir a ansiedade.

Outro tema que tira o sono das famílias e dos pacientes é a parte financeira, já que fazer tratamentos com os melhores especialistas do mundo requer muitos recursos. Pode parecer difícil, mas não é impossível.

O fato de não contar com apoio especializado, que se encarregue de detalhes burocráticos que o paciente não está emocionalmente preparado para resolver, também aumenta a ansiedade e a preocupação após o diagnóstico de câncer.

Os pacientes também têm que enfrentar desafios como fadiga e os efeitos colaterais do tratamento. Náuseas e cansaço excessivo são verdadeiras barreiras que o paciente com câncer precisa enfrentar constantemente, dificultando tanto os serviços domésticos quanto os profissionais. As mudanças físicas afetam a confiança e a autoestima; o sofrimento e dor levam a temer a morte e a impossibilidade de fazer tarefas cotidianas; e surge o stress por não se sentirem autossuficientes. Esse conjunto de emoções e sentimentos muitas vezes pode intensificar um quadro clínico que não é tão grave. Mas então, o que fazer?

Como reagir ao diagnóstico de câncer?

Pacientes com maior apoio de familiares, amigos e profissionais tendem a se sentir menos ansiosos e deprimidos, tendo assim uma melhor qualidade de vida. Ouvir e encorajar pacientes com câncer ajuda a reduzir o sofrimento e angústia de preocupações futuras. Por isso, algumas dicas podem ser muito úteis para ajudar quem está em tratamento:

  • Converse com quem já passou pelo tratamento;
  • Ouça com atenção os sentimentos e conselhos dessa pessoa;
  • Obtenha ajuda através de aconselhamento de grupos de apoio;
  • Pratique meditação, oração ou busque algum apoio espiritual;
  • Faça exercícios de respiração profunda e relaxamento;
  • Converse com um médico sobre o uso de medicamentos para controle de ansiedade ou antidepressivos, se necessário.
  • Tenha uma equipe competente de apoio para resolver detalhes que você pode evitar, como negociação com hospitais e médicos, agendamento de consultas e viagens, entre outros serviços.

Os pacientes com câncer devem buscar apoio nas pessoas que amam, compartilhando suas dores e medos e precisam se lembrar de que não estão sozinhos. O suporte emocional da família, juntamente com uma ajuda psicológica adequada e, para muitos, o apoio espiritual, podem reduzir drasticamente seus anseios e angústias, fortalecendo os pacientes para que possam passar pelo tratamento com mais força e disposição.

E, por fim, esqueça estatísticas e qualquer tipo de pesquisa. É preciso manter o foco apenas no tratamento e na recuperação. Sobreviver ao câncer exige esforço físico e emocional. Não só do paciente, mas de todos os familiares e amigos que o cercam.

É sempre importante ter em mente que o seu mundo não acabou. Este é apenas um obstáculo na pista que deve ser transposto para que você retome seus planos e sonhos com ainda mais garra.


14/abr/2018

Sabia que pacientes com câncer têm direitos especiais garantidos por lei? Veja aqui quais são eles.

A descoberta e o tratamento do câncer são, sem dúvida, um divisor de águas na vida de uma pessoa. E com essa mudança, o que o paciente com câncer menos precisa são mais problemas.

Por isso, para facilitar a vida e reduzir certas burocracias, existem direitos especiais garantidos por lei para as pessoas portadoras da doença.

Ainda hoje muitos pacientes com câncer não têm conhecimento desses direitos. São vários benefícios assegurados por lei, desde o acesso a medicamentos até a isenção de impostos. Veja a seguir quais são eles.

Conheça os direitos do paciente com câncer

Saque do FGTS: O trabalhador acometido por câncer ou que possua qualquer dependente com a doença tem direito de levantar o FGTS.

Retirada do PIS/PASESP: Poderá ser retirado por qualquer trabalhador com câncer cadastrado na Caixa Econômica Federal ou por qualquer trabalhador que tenha dependentes com a doença.

Compra de veículos adaptados: O paciente com câncer ou que tenha alguma sequela limitante da doença poderá comprar um veículo adaptado com desconto nos impostos.

Isenção de IPI: Pacientes com câncer que tenham alguma deficiência física (comprovado por exames e laudos médicos) terão desconto do imposto na compra do veículo.

Isenção de ICMS: Como é um imposto estadual, é necessário que seja observado na lei de cada Estado se há menção para a concessão de isenção ICMS para pessoas com câncer. No Estado de São Paulo, por exemplo, existe a isenção.

Isenção de IPVA: É também um imposto estadual em que cada Estado tem legislação própria que o regulamenta. Por isso, o paciente com câncer deve conferir na lei de seu Estado se há isenção para veículos adaptados ou adquiridos por deficientes físicos.

Dispensa do Rodízio: Em São Paulo é possível obter a dispensa do rodízio de veículos para as pessoas em tratamento de câncer, desde que o seu veículo esteja devidamente cadastrado.

Quitação de financiamento de imóvel: No caso de invalidez permanente em razão da doença, é possível solicitar a quitação do saldo devedor de financiamento imobiliário. Mas a incapacidade deve ter sido adquirida após a assinatura do contrato de compra do imóvel.

Aposentadoria por invalidez: O segurado que for considerado incapaz de trabalhar e não esteja sujeito à reabilitação para o exercício de atividade que lhe garanta a subsistência, independentemente de estar recebendo ou não o auxílio-doença, terá direito ao benefício.

O paciente com câncer terá direito ao pagamento da aposentadoria desde que esteja na qualidade de segurado e, também, após ser examinado em perícia e comprovada a sua condição.

Isenção de imposto de renda na aposentadoria: Pacientes com câncer estão isentos do Imposto de Renda relativo aos rendimentos de aposentadoria.

Esta isenção é aplicada aos proventos de aposentadoria ou reforma aos portadores de doenças graves, mesmo quando a doença tenha sido identificada após a aposentadoria.

Assistência permanente: Assistência permanente é o acréscimo de 25% na aposentadoria por invalidez do segurado que necessitar de assistência permanente de outra pessoa. É necessário a comprovação da incapacidade permanente para realizar as atividades diárias.

Auxílio doença: O paciente com câncer tem direito ao recebimento do auxílio doença desde que fique impossibilitado de trabalhar para seu sustento. Neste caso, deverá ser realizado perícia médica do INSS para comprovar.

Amparo assistencial ao idoso e ao deficiente: É um benefício que garante um salário mínimo mensal à pessoa com deficiência e ao idoso com 65 anos ou mais, que comprovem não possuir meios de prover a própria manutenção, nem de tê-la provida por sua família.

Para ter direito, é necessário que a renda por pessoa do grupo familiar seja menor que 1/4 do salário-mínimo vigente.

Cirurgia de reconstrução mamária: Toda mulher que teve uma ou ambas as mamas amputadas ou mutiladas em decorrência do tratamento do câncer tem direito à realização de cirurgia plástica de reconstrução mamária, quando devidamente recomendada pelo médico responsável.

Em decorrência da falta de conhecimento, os pacientes com câncer muitas vezes acabam privados destes benefícios.

Por isso, toda ajuda neste momento é fundamental, tanto para o paciente quanto para os familiares que, na maioria das vezes, acabam ficando desnorteados e sem o que fazer.

A Gema tem uma grande preocupação sobre este tema e busca ajudar com todas as questões burocráticas para auxiliar o paciente diagnosticado com câncer a ter mais tranquilidade no seu tratamento.


08/abr/2018

Conheça os últimos avanços da medicina no tratamento do câncer e veja os benefícios que eles trazem para os pacientes.

De acordo com as últimas estatísticas globais, quase 9 milhões de pessoas por ano perdem a vida devido ao câncer. Isso equivale a aproximadamente 22 mil mortes por dia. A grande variedade de tipos de câncer e os seus diversos sintomas acabam dificultando o tratamento, e essas estatísticas preocupantes ressaltam a urgência de encontrar melhores soluções para os pacientes. Mas a boa notícia é que na última década o tratamento da doença avançou, tanto no âmbito tecnológico quanto na abordagem multiprofissional, e no atendimento individualizado dos pacientes.

Com o passar dos anos, percebeu-se que muitos cânceres que eram considerados como sendo de um determinado tipo, na realidade eram tipos diferentes e, por isso, alguns tratamentos eram ineficazes. Dessa forma, uma das grandes mudanças adotadas foi o tratamento individualizado.

Hoje se estuda o perfil biológico do tumor, identificando suas alterações específicas. Um exemplo para entender isso melhor é o fato de antigamente tratar-se o câncer de mama após a cirurgia da mesma maneira que antes dela. Hoje os tratamentos pré e pós-cirúrgicos são bastantes distintos. Além disso, outro avanço é com relação à cirurgia. Atualmente o tratamento cirúrgico é bem mais conservador, tendo uma maior preservação dos órgãos.

Avanços no tratamento do câncer

Tecnologia

Na parte tecnológica, as cirurgias robóticas vêm ganhando destaque. Isto porque ela é menos invasiva e, como consequência, ocorre menos sangramento e há menos dor. O paciente que se submete a uma cirurgia robótica tende a ficar menos tempo internado e com melhores resultados funcionais, melhorando ainda mais o tratamento de muitos tumores.

Quimioterapia

No campo do tratamento com quimioterapia também ocorreram bons avanços. Passou-se a utilizar medicamentos específicos, como antagonistas hormonais, anticorpos monoclonais e modalidades da terapia alvo-dirigida, que têm mostrado melhores resultados nas respostas dos pacientes ao tratamento.

Radioterapia

Com o avanço da tecnologia, as máquinas atuam com muito mais precisão, programadas para irradiar apenas o tumor, preservando ao máximo os órgãos saudáveis adjacentes. A radioterapia estereotáxica, por exemplo, permite irradiar precisamente um tumor no pulmão e no fígado, mesmo com os movimentos respiratórios do paciente a movimentação natural destes órgãos. Com isso, a probabilidade de efeitos colaterais e sequelas é reduzida drasticamente, o que permite ao paciente uma recuperação muito mais rápida.

Imunoterapia

A imunoterapia foi considerada o maior avanço dos últimos anos no combate ao câncer. Esta técnica estimula o organismo do paciente a detectar a doença e atacá-la, por meio de drogas que modificam a resposta imunológica do doente.  É sem dúvida uma revolução dentro do tratamento do câncer.

Nas últimas décadas, a imunoterapia tornou-se uma parte importante do tratamento de alguns tipos de câncer. Novos tipos de tratamentos imunológicos estão sendo estudados e terão grande impacto sobre como trataremos o câncer no futuro.

O mais importante é que os estudos não param. Muitos tipos mais recentes de imunoterapia estão sendo estudados para uso contra o câncer e a esperança de cura definitiva para esta doença é cada vez maior. E os pacientes agradecem.